Relações Destrutivas- Capítulo 1 (Estréia).



Capítulo 1:
CENA 1/ CASA DE EDUARDO/ SALA/ INTERIOR/ MANHÃ.
Casa simples, de térreo. Apesar da simplicidade, o ambiente é aconchegante e arrumado, tendo um sofá com almofadas e televisão num rack. Eduardo (32 anos, Rafael Cardoso) vem da cozinha com uma xícara na mão e vai até a mesa do café já posta. Ele põe café na xícara, sem sentar na mesa. Sua filha Manuela (16 anos, Jeniffer Oliveira) vem do quarto, apressada.
Manuela- Bom dia pai. (dá um beijo nele)
Eduardo- Bom dia, filha. Por que tá assim? Pra quê essa pressa toda?
Manuela- (afobada) Tô atrasadíssima. Hoje tenho prova de história e logo no primeiro horário, se chego trinta minutos depois, fecham o portão e não deixam mais a gente entrar. -Procurando- Cadê a faca?
Eduardo- (mostrando) Aí em cima! (T) Cadê seu irmão que não tá aqui?
Manuela- Tá dormindo. Já desisti de chamar ele. Parece que morreu naquela cama e não quer ressuscitar.
Eduardo- Ele também não tem prova hoje?
Manuela- Claro, né pai?! A gente é da mesma sala.
Eduardo- (se irrita) Sabe o que é isso? Fica acordado a noite toda mexendo no celular. Já falei mil vezes, tô cansado de repetir pra esse garoto. Peraí que eu vou resolver isso num minuto.
Ele vai até o quarto do filho.
CORTA P/O QUARTO DE ÍCARO:
Quarto bagunçado. Livros e cadernos espalhados em cima da cômoda. Ícaro (16 anos, Giovanni Dopico) dorme de bruços na cama, em sono pesado. Eduardo vem com um balde de água gelada e joga no garoto, que acorda assustado.
CORTA P/SALA:
Manuela continua tomando seu café e comendo rapidamente, ao mesmo tempo que olha o relógio. Logo vem Ícaro todo molhado. Ele é irmão gêmeo de Manu. Eduardo logo atrás.
Ícaro- (irritado) Caramba pai, precisava mesmo disso?
Eduardo- Pra você aprender a me obedecer. Já falei um milhão de vezes pra não ficar acordado a noite toda no celular.
Ícaro- (reage) Que celular o quê? Eu fiquei estudando a noite toda pra essa porcaria dessa prova. Um assunto chato sobre a vida de Maomé que não queria entrar na cabeça de jeito nenhum.
Eduardo- (mais calmo) Bom... Menos mal. Aproveita que já tomou esse banho, se troca logo pra não atrasar o lado da sua irmã, você já tá atrasado, seis e meia, né Manu?
Manuela- É, sinal bate sete horas e só pode entrar até sete e meia. -Apressa ele- Bora, mano, adianta!
Ícaro volta pro quarto.
Eduardo- (pegando sua mochila) Eu já vou indo. -Dá um beijo nela- Boa prova.
Manuela- Bom trabalho, paizinho.
Eduardo sai de casa.
CENA 2: RUA/ MANHÃ/
Megan (25 anos, loira, Isabella Santoni) e Abner (29 anos, Felipe De Carolis) estão andando pela rua, de mãos dadas. Eles conversam, sorrindo.
Megan- Ai, meu amor, eu estou pensando em tantas coisas que poderíamos fazer na nossa viagem.
Abner sorri, forçado. Megan percebe e pára em frente ao homem.
Megan- O que foi? –Manhosa- Não gostou da nossa noite?
Abner (pálido)- Gostei... É que... Eu... Eu não sei como te falar isso, Megan.
Close na feição preocupada da jovem.
Megan (apavorada)- Não me diga que você é gay?
Ele balança a cabeça negativamente.
Abner- Não, é que...
Uma mulher sarada passa, e Abner olha para a bunda dela. Megan percebe e fica chocada.
Megan (furiosa)- EU NÃO TÔ ACREDITANDO QUE VOCÊ TÁ FAZENDO ISSO NA MINHA CARA, SEU CRETINO! (T) MAS VOCÊ ME PAGA!
Megan percebe que o sinal parou, ela sobe no capô do carro de Eduardo, que está parado, chamando a atenção de todos. Abner corre até ela.
Fade-in: Terremoto- Kevinho e Anitta.
Abner- Desce daí, Megan.
Megan (ignora/ p/ as pessoas que passam)- Hoje é o dia de sorte de todos vocês!
A mulher tira o vestido, ficando apenas de trajes íntimos. Os homens que andavam depressa, param para ver, alguns filmam, Eduardo fica pasmo ao ver a cena.
CORTA P/ DENTRO DO CARRO:
Eduardo (pasmo/deslumbrado)- Ai, papai, uma gostosa dessas em cima do meu carro logo agora de manhã?
Eduardo coloca a cabeça pro lado de fora. Megan manda um beijo para o homem. Ela dá uma girada, fazendo com que os homens gritem, animados.
CORTA P/ RUA:
Megan (p/ Abner)- Viu? Se você não quer, tem quem queira!
Close no rosto de Abner, expressando vergonha e reprovação. Enquanto Megan atira beijos para os homens.
Fade-out: Terremoto- Kevinho e Anitta.
CENA 3: CASA DE MEGAN/ SALA/ INTERIOR/ MANHÃ/
A casa é simples, móveis novos e local aconchegante. Megan é puxada pelo braço por Abner, que está furioso. Ela já está vestida.
Abner (revoltado)- Aonde tá o seu pai?
Megan- Já foi trabalhar nessas ruas imundas.
Abner- Você dá sorte dele não estar aqui para eu te expor.
Megan- E você acha que ele vai fazer o que comigo? Me bater com aquela vassoura cheia de pêlos de ratos como você, seu cafajeste?
Abner- Você nunca mais vai fazer isso comigo!
Megan- Mas é claro que não, porque está tudo acabado entre a gente!
Fade-in: Tango Cocodrilo (Instrumental)- Victor Pozas.
Abner (assustado)- Você só pode estar brincando!
Megan- Nunca falei tão sério. –Aponta o dedo p/ a porta- Vai embora da minha casa, seu vagabundo!
Megan pega sua bolsa e dá umas bolsadas em Abner, expulsando-o de casa.
Fade-out: Tango cocodrilo (Instrumental)- Victor Pozas.
CENA 4 - MANSÃO DOS DANTAS/ SALA DE JANTAR/ INTERIOR/ MANHÃ/
Mansão luxuosíssima de dois andares. Close na farta mesa de jantar. Dorotéia (50 anos, Elisa Lucinda) toma seu café. Ela é a dona da casa e chefe da família. Sua mãe Alessandra (73 anos, Neuza Borges) sentada tomando café enquanto olha uma revista. Ambas em silêncio. De repente, Dorotéia pega um sino e começa a tocar.
Dorotéia- Isolda, venha cá!
Isolda (36 anos, Ellen Rocche), a empregada, aparece e Dorotéia estende sua mão com a xícara. Isolda derrama café na xícara.
Isolda- Dormiu bem, senhora?
Dorotéia- Como um anjo. Quero que mande tirar o carro que irei para o SPA ficar anos mais nova.
Alessandra- (olha a revista) Bom... Isso não se resolve nem com macumba né?!
Dorotéia a olha com reprovação.
Isolda- E a senhora dona Alessandra?
Alessandra olha pra ela.
Alessandra- Eu o quê? (e volta a olhar a revista)
Isolda- Deseja mais alguma coisa?
Alessandra- (levemente irritada) Não. Não quero nada. Aliás, quero sim. Que você prepare aquela sobremesa que eu adoro pro jantar. Ontem eu pedi e você não fez. Passei a noite sonhando com aquilo.
Dorotéia- Mamãe, o que a senhora tanto vê aí nessa revista?
Alessandra- (olha pra ela) Algo que por obséquio... Não é da sua conta. (e volta a olhar a revista)
Dorotéia levanta e vai até Alessandra, tomando a revista das mãos dela. Agora vemos que são imagens de homens sarados de cueca. 
Dorotéia- Mamãe, a senhora na sua idade vendo isso? Que horror.
Alessandra- (toma a revista das mãos dela) Eu tô velha, mas não tô morta.
Isolda- Ela tem direito de se divertir, dona Dorotéia.
Dorotéia- Você, cale a boca. A conversa ainda não chegou na matilha dos cães selvagens. Bom... Acho que já irei.
Ela vai saindo.
Isolda- Senhora. Eu queria falar sobre aquele assunto.
Dorotéia- (pondo os óculos) É aumento de salário, décimo terceiro, vale transporte, ticket refeição, morte na favela. São tantos assuntos que você vive falando comigo que fico perdida, sem saber o que quer agora.
Isolda- Dessa vez é sobre a ajuda aqui em casa. A senhora ficou de me dar o “ok” sobre trazer um conhecido meu pra me ajudar na limpeza de casa, três vezes por semana.
Dorotéia- Ah, o tal diarista.
Isolda- Exatamente.
Dorotéia- Por mim tudo bem. Desde que não seja desses mão de cola que tudo o que toca, leva.
Isolda- Não, quê isso, dona Dorotéia. Ele é muito honesto, até demais.
Dorotéia- Hum, então tá bem. Diga ao Fabrício que quando eu voltar, quero ter uma conversa bem séria com ele.
Dorotéia caminha até a porta de casa.



CENA 5 - MANSÃO DOS DANTAS/ COZINHA/ INTERIOR/ MANHÃ/
Isolda conversa com Eduardo pelo celular, que limpava um apartamento.
Isolda-(cel) Consegui, Eduardo. Falei com dona Dorotéia. 
Eduardo-(cel) Ah, que ótimo. Muito obrigado Isolda. Sério, nem sei como te agradecer.
Isolda-(cel) Sabe sim. Me ajudando na tarefa aqui de casa. Eu odeio fazer tudo sozinha e você é ótimo pra limpar, sempre faz tudo bem feito. Dona Dorotéia vai amar você. Ela odeia sujeira.
Eduardo-(cel) Quando posso começar?
Isolda-(cel) Amanhã mesmo. E é como a gente combinou, três dias na semana. Dona Dorotéia vai combinar o pagamento com você, tudo certinho.
Eduardo-(cel) Valeu! E mais uma vez, obrigado!
Ele desliga.
CENA 6 - UNIVERSIDADE/ PÁTIO/ EXTERIOR/ MANHÃ/
Patrícia (26 anos, Dandara Mariana) caminha com Megan pelo pátio da universidade. Megan está aérea.
Patrícia- Minha mãe vive me enchendo o saco, falando “ah menina, porque você não arruma um namorado, um partido bom, só vive sozinha o tempo todo”. Já falei pra dona Dorotéia que eu quero focar no meu futuro, mas ela nunca me escuta. (olha para Megan) Megan. Megan! Eu tô falando com você.
Megan olha para Patrícia.
Megan- O quê, amiga? Desculpa, não ouvi.
Patrícia- (incomodada) Megan, o que tá havendo hein? Você tá desde cedo com essa cara e até agora não me disse o que é. Vai, se abre comigo.
Megan- (respira fundo) O Abner e eu terminamos tudo.
Patrícia- (arregala os olhos) Como assim, menina?
Megan- Não dava mais. Ele fica olhando pra bunda de outras, dei um basta no nosso namoro. Ele também não suportou o showzinho que dei na rua pra me vingar dessa raparigagem dele.
Patrícia- Mas não tem nada a ver com o fato de você ser de uma classe superior à dele, não é? Estamos no século XXI, Megan. O mundo de hoje tá bem atualizado pra essas bobagens.
Megan olha para Patrícia, cínica.
Megan- (mentirosa) Imagina, Pá. Você acha mesmo que eu iria rejeitar o Abner por eu ser rica e ele pobre? Nunca nessa vida. O fato deu ser filha de um grande empresário não significa nada. Você me conhece, sabe que sou humilde, apesar de tudo. Terminei com ele pela galinhagem mesmo. Ele que arranje outra pra sarrar aqueles pelinhos de rato dele.
Close em Megan.
CENA 7: ANOITECE/ MANSÃO DOS DANTAS/ SALA DE JANTAR/ INTERIOR/
Dorotéia, Alessandra, Patrícia e Fabrício (24 anos, Sérgio Malheiros) estão sentados à mesa, enquanto jantam. Chega uma notificação de mensagem no celular do menino, que sorri, mas rapidamente bloqueia o celular novamente.
Dorotéia- E como foi o dia de vocês?
Patrícia- O meu foi muito bom.
Chega outra mensagem no celular de Fabrício, enquanto ele mexe no dispositivo, sua mãe olha de rabo de olho, enquanto corta a carne.
Dorotéia- O que você tanto faz nesse celular?
Ele olha para a mãe, desfazendo o sorriso.
Fabrício- Eu tô conversando com o...
Dorotéia (interrompe)- Com o viado, né?
Fade-in: Rock com Dendê (Instrumental)- Victor Pozas.
Alessandra e Patrícia olham para Dorotéia, que expressa fúria em seu rosto.
Patrícia (assustada)- Mãe, o que é isso?
Dorotéia- O que é isso uma ova, eu tenho que aguentar o meu filho falando que vai encontrar outra bicha pra dar o rabo?
Alessandra- Você fala isso porque um novinho nunca te pegou de jeito.
Patrícia e Fabrício riem de Alessandra, que deixa Dorotéia bufando. Ela bate as mãos na mesa e olha para Fabrício.
Dorotéia- Você não vai encontrar esse menino.
Fabrício (enfrenta)- Quer apostar como vou?
Fabrício sai, deixando as três.
Dorotéia- INFERNO! Isso não vai ficar assim.
Alessandra- Calma, minha filha, se quiser uns brinquedinhos para se acalmar, passa no meu quarto mais tarde!
Dorotéia sai, ignorando a mãe.
Patrícia- Não sei como a minha mãe é preconceituosa desse jeito.
Alessandra- Acho uma maravilha o Fabrício ser gay, nós até compartilhamos vídeos.
Patrícia (chocada)- Vovó...
Elas sorriem.
Fade-out: Rock com Dendê (Instrumental)- Victor Pozas.
CENA 8- CASA DE MEGAN/ SALA DE JANTAR/ INTERIOR/ NOITE/
Megan adentra o local, ela vê seu pai Antônio (50 anos, Antônio Calloni), e sua irmã Madalena (Madá – 16 anos, Bruna Griphão) comendo. Megan olha enojada para o prato dos dois.
Megan- Só tem essa sopa nojenta?
Madá- Se quer algo melhor, por que não faz um pedido?
Megan- Vai se ferrar, garota.
Antônio (cansado)- Filha foi só o que eu pude comprar.
Fade-in: Tony Crimes (Instrumental)- Rodolpho Rebuzzi.
Megan- E VOCÊ TÁ ACHANDO QUE ISSO É DE SE ORGULHAR? (T) Pelo amor de Deus, Sr. Antônio, você não vai aprender a procurar outro emprego não? Fica nesse orgulho achando que precisa ser um miserável limpador de rua.
Madá se levanta e fica em frente para Megan, encarando-a.
Megan (debochada)- O que é, hein? Vai proteger o papaizinho? –Maléfica- Você deveria ter vergonha também, sua rata. (T) É uma medíocre feito ele.
Antônio se levanta e entra não meio das duas.
Antônio- Por favor, Madá, sente-se. (T) Deixa a sua irmã pra lá.
Os olhos de Antônio se enchem de lágrimas, mas ele resiste.
Antônio- Eu já tô acostumado. –Encara Megan- Você só vai me ver feliz o dia que eu tiver num caixão, né?
Megan (fria)- Se eu não tiver que passar vergonha, que assim seja.
Madá tenta bater na irmã, mas Antônio impede.
Madá- DESGRAÇADA, VAGABUNDA. (T) VOCÊ É UM LIXO, MEGAN!
Megan gargalha e sai de casa. Close em Madá e seu pai, que se abraçam chorosos.
CENA 9- RUA/ NOITE/
Continuação do instrumental. Fabrício chega em uma rua pouco movimentada e estaciona o seu carro atrás de uma moto. Ele sai do seu veículo e vai até Gabriel, seu namorado (28 anos, Pablo Moraes) que está encostado em um muro. Eles se beijam, intensamente.
Gabriel- Que saudades, meu amor.
Fabrício abraça o namorado, tenso.
Gabriel (estranhando)- Aconteceu alguma coisa?
Fabrício- Nada, só continue me abraçando. (T) Tava com muitas saudades.
Close em um táxi parado mais longe deles. Dentro do veículo está Dorotéia observando o casal.
CORTA P/ DENTRO DO TÁXI:
Dorotéia (furiosa)- Desgraçados. (T) Eu não criei meu filho pra ser um baitola!
Taxista- Vamos ficar muito tempo parado, senhora?
Dorotéia (estressada)- Cale a boca, vamos ficar aqui o tempo que for necessário. (T) Se bem que está me dando nojo ver essa cena.
Taxista- É normal ter um filho gay.
Dorotéia (farta)- Eu tô te pagando pra dirigir, não pra dar sua opinião!
Dorotéia pega o telefone e faz uma ligação para Megan. A câmera alterna entre as duas.
Megan (atende)- Alô, Dorotéia?
Dorotéia (debochada)- Não, a Madre Teresa de Calcutá!
Megan- Nossa que humor, hein?
Dorotéia- Se sabe quem é, pra que está me perguntando isso?
Megan- Ao que devo a honra dessa ligação?
Dorotéia- Queria te encontrar, será que podemos?
Megan- Claro.
Dorotéia- Mando o endereço pelo WhatsApp.
Dorotéia desliga a ligação.
Dorotéia (p/ o taxista)- Pode sair.
O motorista dá partida e sai. Close em Fabrício e Gabriel que sorriem, se olhando, apaixonadamente.
Fade-out: Tony Crimes (Instrumental)- Rodolpho Rebuzzi.
CENA 10 - BARZINHO/ EXTERIOR/ NOITE/
Megan e Dorotéia conversam sentadas numa mesa do barzinho. Movimento razoável de pessoas.
Megan- E então? O que a senhora quer comigo?
Dorotéia- Olha Megan, eu te conheço há bastante tempo. Sei da amizade de você e minha filha, e do seu segredinho, da sua mentira. Que você finge que é rica, filha de um rico empresário, quando na verdade, é pobre e filha de um lixeiro.
Megan- Se me chamou até aqui pra me fazer passar vergonha, mais do que já passo todos os dias, ou pra me criticar, saiba que não estou disposta. (se levanta) Com licença.
Dorotéia- Não. Senta aí que ainda não terminei.
Megan se senta.
Dorotéia- Eu quero te propor sociedade.
Megan- (ri, debochada) Sociedade com a senhora? Está brincando né?
Dorotéia- (sorri) Eu vou ser direta com você, Megan. O que você acha de se passar por namorada do Fabrício? -T- Eu te dou uma fortuna se você topar. -T- Pago uma atriz pra se passar por sua mãe. Pra você desfilar com ela por aí, se exibindo pros outros. Eu sei que você adora fazer isso. Em troca, você me ajuda a dar um fim naquele namorado de merda do meu filho e finge namorar com ele.
Megan- (debochada) É só isso?
Dorotéia- Apenas! O que acha?
Megan olha pra ela, pensativa.
Dorotéia- Não vai recusar uma oferta dessas, né?
Megan- (encarando-a) Claro que não!...
Dorotéia- (sorri maleficamente) E ninguém precisa ficar sabendo de nada. Vai ser nosso segredinho.
Megan- Que tudo se mantenha assim. Em segredo!
As duas sorriem, maquiavélicas.
CENA 11 - CASA DE EDUARDO/ SALA/ INTERIOR/ NOITE/
Eduardo põe o jantar dos filhos, que estão sentados na mesa. A televisão, ligada.
Eduardo- (para Ícaro) Tá bom aqui?
Ícaro- Tá ótimo. Valeu.
Eduardo se senta junto a eles.
Eduardo- E a prova, como foi?
Ícaro- A única coisa que posso dizer é que eu sobrevivi, pai.
Eduardo- Lembro de ter tido esse assunto no primeiro ano. Pior que isso era só o cálculo de nêutrons que nem lembro mais como é. (ri) Nem sei se isso é física ou química. Sempre fui péssimo.
Manuela- (rindo) É química, pai. A gente tá dando esse assunto esse bimestre.
Ícaro- Você quase nunca conta pra gente sobre sua época de adolescente, pai. O senhor teve que largar os estudos quando a mamãe descobriu que tava grávida da gente?
Eduardo- (respira fundo) Eu tive sim, filho. E foi difícil. Tive que arrumar emprego, foi uma loucura. (sorri) Mas no fundo foi bom. Hoje olho pra trás e vejo que até que valeu a pena. Não sei o que seria da minha vida sem vocês aqui agora.
Eles se levantam e abraçam o pai, que está emocionado.
Eduardo- (alegre) E eu nem contei que consegui uma nova cliente.
Eles continuam conversando alegremente.
CENA 12 – AMANHECE/ MANSÃO DOS DANTAS/ SALA/ INTERIOR/
A campainha toca. Isolda vai atender e Eduardo adentra a mansão, olhando tudo em volta.
Eduardo- Bom dia, Isolda.
Isolda- Seja bem-vindo, Eduardo. Fico feliz que esteja aqui. A dona Dorotéia tá no escritório já te esperando. Eu levo você até lá.
Os dois caminham em direção ao escritório.
CORTA P/O ESCRITÓRIO:
Dorotéia está sentada, quando Isolda entra acompanhada de Eduardo.
Isolda- Dona Dorotéia, aqui está o rapaz que eu falei.
Dorotéia o olha e fica impressionada ao vê-lo.
Dorotéia- (olhando para Eduardo) Saia, Isolda!
Isolda- Sim senhora!
Isolda sai do escritório, deixando-os às sós.
Eduardo- Bom, eu acho que é melhor a gente se apresentar. Eu me chamo Eduardo.
Eles se cumprimentam.
Dorotéia- Bom, meu nome você já sabe. Mas estou realmente impressionada. Não imaginava que um homem tão bonito como você trabalhasse como diarista. Ainda mais pelo fato de você ser um homem. Desde que a Isolda me falou de você fiquei desacreditada, agora então.
Eduardo- (ri) É, a senhora não é a primeira, nem vai ser a última a me dizer uma coisa dessas. Não que eu tenha levado seu comentário de uma forma negativa. Mas eu sou viúvo, tenho dois filhos adolescentes/
Dorotéia- (interrompe, chocada) Dois filhos? Adolescentes? Você? Não creio.
Eduardo- É, eu fui pai muito cedo. Desde então eu me viro da forma como posso.
Dorotéia- Eu estou realmente barbarizada com tudo isso. -T- Bom... Eu quero combinar com você o valor pelo seu serviço.
Eduardo- Quanto a isto, vai pela qualidade do serviço mesmo. Se a senhora ficar satisfeita...
Dorotéia- (sorri, impressionada) Gostei de você. Olha... por mim você pode começar agora mesmo! Eu vou te acompanhar até a cozinha.  
Os dois saem do escritório. 
CENA 13: MANSÃO DOS DANTAS/ COZINHA/ INTERIOR/ MANHÃ/
Dorotéia e Eduardo adentram o cômodo.
Dorotéia- E essa é a cozinha. (T) Como pode ver, há utensílios que precisam de muito cuidado na hora de limpar.
Eduardo (sorri)- Eu sei cuidar disso, não se preocupe. (T) Tá com medo só por que sou homem?
Dorotéia- Olha eu confesso que não é normal ter um homem fazendo um serviço de casa, mas eu não te julgo, cada um tem a forma de ganhar a vida. –Ela estende a mão e ele corresponde- Espero que tenhamos uma grande parceria profissional.
Eles sorriem e largam as mãos um do outro.
Eduardo- Igualmente, dona Dorotéia.
Dorotéia- Vou deixar você aqui.
A mulher sai, deixando o homem sozinho. Ele fica admirado com a beleza da cozinha.
Eduardo- Que lugar grande e bonito.
Ele sorri, e ao virar-se ele esbarra em Patrícia, que estava com uma garrafa de vitamina na mão. Ela derrama na roupa dele.
Patrícia (sem graça)- Ai me perdoe.
Eduardo- Não se preocupe.
Patrícia- Olhe só o que eu fiz na sua roupa.
Ela pega um pano e tenta limpar.
Eduardo- De verdade, não se preocupe.
Patrícia- Olha tira a sua camisa que eu vou lá em cima pegar uma camisa do meu irmão, que te sirva.
A menina sai, enquanto Eduardo tira a camisa. Ela volta e repara o peitoral do homem e sua barriga tanquinho.
Fade-in: Give me Love- Ed Sheeran.
Patrícia (tímida)- Eu iria dizer que...
Câmera lenta alterna entre os olhares dos dois, se olhando intensamente.
Patrícia- Vamos lá pra cima.
Eduardo está envergonhado e veste novamente a sua camisa suja. Patrícia olha fixamente para os olhos do homem.
Eduardo- Vamos então.
Patrícia sai andando e Eduardo vai atrás.
Fade-out: Give me Love- Ed Sheeran.
CENA 14: MANSÃO DOS DANTAS/ QUARTO DE PATRÍCIA/ INTERIOR/ MANHÃ/
Eduardo olha para o porta-retrato de Patrícia, que está com Fabrício, sua mãe e seu pai.
Eduardo- Essa mansão é espetacular.
Ele olha para todo o quarto e é surpreendido quando vê Megan entrando pela porta. Eles ficam surpresos.
Megan (assustada)- Ai meu Deus.
Eles se encaram fixamente.
Flashback:
Megan percebe que o sinal parou, ela sobe no capô do carro de Eduardo, que está parado, chamando a atenção de todos. Abner corre até ela.
Abner- Desce daí, Megan.
Megan (ignora/ p/ as pessoas que passam) - Hoje é o dia de sorte de todos vocês!
A mulher tira o vestido, ficando apenas de trajes íntimos. Os homens que andavam depressa, param para ver, alguns filmam, Eduardo fica pasmo ao ver a cena.
Eduardo (pasmo/deslumbrado) - Ai, papai, uma gostosa dessas em cima do meu carro logo agora de manhã?
Eduardo coloca a cabeça pro lado de fora. Megan manda um beijo para o homem. Ela dá uma girada, fazendo com que os homens gritem, animados.
Fim do flashback.
Eduardo (surpreso)- Você aqui?
Fade-in: Corrosiva (Instrumental)- Eduardo Queiroz.
Patrícia entra ao cômodo com uma camisa na mão, flagrando a troca de olhares surpresos de Megan e Eduardo.
Patrícia- Então quer dizer que já se conhecem?
Ela olha para os dois. Close no olhar apavorado de Megan. Eduardo percebe.

Rajax
Linguagem imprópria
Conteúdo de total responsabilidade do autor                      
×
Rajax
Linguagem imprópria
Conteúdo de total responsabilidade do autor                              
×

Nenhum comentário:

Postar um comentário

close

menu cel