Um casal especialista investiga uma sequência de mortes estranhas

play_arrow   Sinopse
add_circle_outline   Ver mais
Apresentações

Uma mansão esconde mistérios macabros que assombram a cidade

play_arrow   Sinopse
add_circle_outline   Ver mais

Uma dramédia romântica com uma boa colherada de novela mexicana

play_arrow   Iniciar
add_circle_outline   Ver mais

Após uma perda familiar, uma jovem reflere sobre a vida em meio a pandemia

play_arrow   Iniciar
add_circle_outline   Ver mais

Muitas novidades! Acompanhe a cobertura do maior evento do mundo virtual

play_arrow   Ir ao evento
add_circle_outline   Saiba mais

Rajax ©️ 2021 - Copyright | Site sem fins lucrativos

março 08, 2022

11. Te Lo Voy a Decír | No Te Pido Flores

por , em


“Uma produção original Everton Brito Produções e Rajax”

 

Escrita por EVERTON B DUTRA
Criada por EVERTON B DUTRA

EPISÓDIO 11: Te Lo Voy a Decír (Final da Série)

 

 

01 INT. IGREJA - DIA.

 

FADE IN:

 

ABRE A CENA.
As portas da igreja se abrem, revelando Esmeralda Dellarosa parada, trajando seu elegante vestido de noiva com mangas bufantes e ombros caídos. O branco chegava a brilhar com a forte luz do sol irradiando atrás dela. Todas as pessoas da igreja se levantam. Os fotógrafos exclusivos a bombardeiam com flashes enquanto ela caminha até o altar ao embalo da marcha nupcial.

 

O foco muda para o rosto de Martin, absorto, distante. Os dois noivos pareciam estar na mesma frequência. Nem mesmo a mídia entendia como as coisas que sucederam resultaram no momento de agora. Engolia em seco o cheiro do cravo branco no bolso do seu paletó. Nunca foi chegado às flores, mas se fosse para escolher, as gardênias eram suas preferidas, de todas as formas.

 

Os passos de Esmeralda eram pesados e lentos. O altar não ficava tão distante, mas o tempo até, para ela, parecia ser um tanto desproporcional. Esmeralda para no meio, surpreendendo a todos. Ela respira profundamente, levanta a barra do vestido e caminha o mais rápido que pode, fazendo a marcha se apressar, os olhares das pessoas e os flashes dos fotógrafos.

 

Foco em Roxana, arregalando os olhos, ofendidíssima. Ela limpa a garganta quando Esmeralda chega no altar, trocando olhares modestos com Martin. Ela faz sinal para que o padre se apresse.

 

PADRE 一 Acho que podemos começar, então. Bom, estamos aqui reunindo duas almas que se encontraram. Iremos aqui realizar uma cerimônia para consagrar esse amor tão mútuo, como o de Esmeralda e Martin. Sem mais declarações, vamos ao votos. Repitam comigo…

 

Antes que o Padre pudesse completar, a porta da igreja é abruptamente escancarada, ao que dois corpos são jogados para dentro dela.

 

Uma mulher vestida de noiva e um cara estupriado lutam pela posse de uma arma, que dispara para cima repetidas vezes, assustando todos da igreja. KELLY MARIA e OTÁVIO SCHUMACHER gritam, numa discussão completamente desenfreada.

 

KELLY 一 Me dá essa arma aqui!

OTÁVIO 一 Eu vou acabar, eu vou acabar com esse casamento! Eu vou destruir tudo!

KELLY 一 Deixa de ser maluco, você nunca pegou numa pistola, muito menos sabe disparar uma!

 

Logo, VANESSA ROBSON adentra na igreja, também vestida de noiva, gritando e correndo na direção dos dois. Ela joga seu corpo contra e os três vão ao chão. A arma desliza pelo chão da igreja, afamando os convidados.

 

VANESSA 一 Não olhem minha calcinha, olhem para Jesus, não olhem minha calcinhaaaa!

OTÁVIO 一 Essa igreja não vai fazer mais nenhum casamento, nem que eu tenha que arrancar a cabeça do padre!

 

Otávio se levanta do chão, mas Kelly engole sua cabeça com o seu vestido. Ela joga suas duas pernas sobre os ombros de Otávio. Ele grunhi de raiva e se remexe semelhante à um touro mecânico, com Kelly montada nele. Foco em alguns rostos da igreja, horrorizados com a cena nada ortodoxa.

 

KELLY 一 É cheirosa, né? Carolina Herrera, mas aproveita, porque é o mais perto que você vai chegar dela na sua vida!

OTÁVIO 一 Tira isso da minha cara!

KELLY 一 É isso aí, me chama de Mega Fox, mas não é pela boca que eu como os homens!

 

Foco no padre, de boca a aberta, com a mão sobre o peito. Depois em Roxana, possessa. Volta para Kelly e Otávia.

 

KELLY 一 Êêêê, boi! Literalmente, hahaha!

 

Atrás, Vanessa, entalada com o vestido pesado e as pernas nuas para cima, se balançando num alvoroço, fica impossibilitada de ver a cena. Otávio consegue jogar Kelly para trás. Ela despenca no chão. EM OTÁVIO, atordoado e suado. Ele visualiza a arma no chão e caminha na direção dela.

 

Foco na entrada da igreja, NEIDE SILVA surge, correndo, segurando o vestido, ela grita um urro de guerra e, em câmera lenta, pula Vanessa ainda no chão, passa por Kelly, escorrega no chão da igreja, por entre as pernas de Otávio, agarra a arma no chão e chuta com o seu salto o falo de Otávio. O SLOW MOTION  com Otávio gritando de dor e se ajoelhando no chão.

 

Neide levanta a arma para cima, em saudação.

 

NEIDE 一 Deus seja louvado!

 

Atira sem querer para cima. Foco em Vanessa, que finalmente consegue se levantar, toda descabelada, e estonteada, ela olha para Otávio e corre até ele, jogando seu corpo contra o dele e o derrubando no chão, torcendo seu braço e puxando seu cabelo.

 

VANESSA 一 Pede pra sair, vai, pede pra sair, pede!

OTÁVIO  (desesperado) 一 Eu quero sair, eu quero sair!

 

Roxana sai andando até onde elas estão, gritando descontroladamente, em completo desespero. Irada.

 

ROXANA 一 O que está acontecendo aqui!!!

 

Seus gritos ecoam por toda a igreja, agora silenciosa. Por fim, a cruz de outro, com Jesus pregado nela, despenca da parede bem na cabeça do padre, que cai no chão, inconsciente.

 

FOCO EM SEU ROSTO. Borboletas roxas pairam acima dele, depois, a CAM as acompanha percorrendo a igreja.

 

Em Esmeralda e Martin. Olham para o padre, de boca aberta.

 

SONOPLASTIA: Problem 一 Ariana Grande ft. Iggy Azalea.

 

CAM na entrada da igreja. Lupe, então, surge, desesperado e ofegante, com as mãos para cima.

 

LUPE 一 Parem o casamento!

 

Depois ele abaixa a mão e recua ao visualizar o caos vestido de branco por todo o lugar.

 

FADE TO BLACK

FADE OUT.

 

 

 

No Te Pido Flores

 

FADE IN:

 

02 INT. IGREJA 一 DIA.

 

ABRE A CENA.
A Igreja, já quase vazia. Alguns policiais algemam Otávio, enquanto ele resmunga.

 

OTÁVIO 一 Vocês vão ver. Eu vou voltar. Nem todas as grades da cadeia desse mundo vão me impedir de…

 

Vanessa dá um soco na cara de Otávio, o fazendo cair no chão. Foco nela.

 

VANESSA 一 Ai, cala a boca!

 

Ela ajeita o cabelo e olha as unhas, lamentosa. O Foco passa para os policiais, levantando Otávio do chão e o carregando para fora da igreja. Neide passa pela câmera, reclamando:

 

NEIDE 一 Eles podiam maneirar no tecido desses vestidos…

 

E cede a cena para Martin e Lupe, um de frente para o outro, entreolhando-se, com a luz do sol por entre eles, adentrando pela porta.

 

LUPE 一 Eu não devia estar aqui, que fique claro. E só andei de bicicleta até aqui, porque não tinha nada pra fazer. Nem sabia que essa era a igreja que você ia se casar. Entrei apenas para… rezar.

 

MARTIN 一 Conjugando com tanta certeza o pretérito imperfeito. Como você sabe que não vou me casar mais?

 

Lupe se afasta de Martin, preocupado.

 

ESMERALDA 一 Não! Nós não vamos!

 

Esmeralda surge na cena, entre os dois, cheia de certeza.

 

ROXANA 一 E quem disse isso?

 

Todos olham para Roxana.

 

ESMERALDA 一 Eu disse. Chega, mamãe. Agora eu tomo as rédeas da minha própria vida e você não pode fazer nada em relação a isso.

 

ROXANA 一 Você sempre foi sentimental demais, Esmeralda. Não sabe nada sobre o mundo e sobre toda a dor que ele pode te causar, minha filha. Tudo que eu quis nessa vida foi te poupar disso tudo. Mas, eu tô cansada.

 

Roxana se senta num dos bancos da igreja, pensativa.

 

ESMERALDA 一 Você sempre manteve o balão que é o mundo bem acima da minha cabeça, morrendo de medo que eu fosse lá e o estourasse. O que a senhora não sabia é que esse balão poderia ser estourado por qualquer pessoa e ainda assim tudo dentro dele cairia em cima da minha cabeça. Eu te amo, mas não posso viver desse jeito.

 

ROXANA 一 Essa não é você falando. É o seu espírito jovem e idealista.

 

ESMERALDA (lamentosa) 一 Não, essa sou eu, indo embora, e fazendo meu próprio destino.

 

Esmeralda dá as costas para todos e sai andando a passos apertados para fora da igreja, deixando seu buquê no meio do caminho e desaparecendo em meio aos raios de sol, que invadem a tela, voltando depois a imagem nos rostos de Lupe e Martin. Aparentemente só restam os dois no lugar.

 

Martin, maroto, para Lupe e em seguida anda até o meio da igreja, agarrando o buquê de Esmeralda do chão, dando uma limpada teatral nele, e rente ao peito, sorri para Lupe, marchando em sua direção, elegante. Lupe ri, envergonhado.

 

LUPE 一 Você é bem fora da casinha mesmo, né?

MARTIN 一 Não seria a coisa mais louca que aconteceu hoje.

LUPE 一 Não.

MARTIN 一 Por que? Já estamos numa igreja mesmo. Vai me dizer que esse não é o lugar dos seus sonhos? Porque o noivo, com certeza, é.

LUPE 一 Es tan estupido. Maldito el día que me enamoré de ti.

MARTIN 一 Quer casar comigo, ou vai me deixar plantado no altar?

VANESSA 一 Casamento? Eu ouvi casamento?

 

Vanessa surge, ajeitando os cabelos, esbaforida.

 

KELLY 一 Que casamento? Quem vai casar agora?

 

Kelly surge e para ao lado de Vanessa, ajeitando o decote do vestido, depois Neide, apertando, pudica, a barra do vestido.

 

NEIDE 一 Eu posso fazer! Eu sempre sonhei em fazer um casamento gay. Eu sabia que aquele curso de cerimonizia… cerimolili.. cerimolizia…

LUPE 一 Cerimonialista?

NEIDE 一 Exatamente. Cerimonialista. Não sabe o quanto eu esperei por esse fetishe.. Quer dizer, por esse momento.

VANESSA 一 A gente pode até ser as testemunhas, né?

KELLY 一 É, vão, vão pro altar. Eu vou jogar isso no Twitter.

 

Martin e Lupe são empurrados para o altar por Vanessa, Kelly e Neide. Eles ficam de frente um para o outro, nervosos.

 

LUPE (sussurra) 一 Eu tenho a sensação que estamos fazendo algo ilegal.

NEIDE 一  Relaxa. Tá com Neide, tá com Deus. Literalmente.

MARTIN (dá de ombros) 一 Que seja feita a nossa vontade.

KELLY/VANESSA/NEIDE 一 Amém.

 

SONOPLASTIA: Click - Bryan Amadeus, Anahí & Ale Sergí

 

OFF. Somente a música. Neide faz o seu papel de cerimonialista. DOLLY OUT. CÂM vai se afastando da cena. O PLANO GERAL no ambiente da igreja. Vanessa, no altar, chora desesperada, limpando as lágrimas no véu, enquanto Kelly tira fotos no seu celular. CAM. Lupe agarra Martin pela gravata e o beija ardentemente. As portas da igreja se fecham.

 

03  INT.  AEROPORTO - DIA

 

CAM. Esmeralda, alvoroçada, chamando a atenção das pessoas que transitam pelo aeroporto, se debruça sobre o parapeito, caçando com o olhar. PLANO do espaço sob o POV da personagem. VOLTA para Esmeralda, deslocando-se, correndo, segurando seu vestido, que acompanha levemente seus movimentos. CAM a acompanha. Ela desce as escadas, desviando-se das pessoas. TROCA DE CÂMERA. CAM foca na plaqueta dos horários dos voos, alternando-se. Ao fundo, a voz da representante comercial, orientando os passos das pessoas. Acompanha Esmeralda de costas, desvencilhando-se da floresta de pessoas, derrubando algumas malas.

 

Para. No momento, todos os sons da cena são cessados. Apenas um zumbido forte mesclado com as batidas do coração da personagem. Algumas pessoas passam, mas revela-se em seguida a imagem de Lupita, fazendo o check in, ao lado, Roberta. HALLO DESFOCADO. TROCA DE CÂMERA. Foco no rosto de Esmeralda, brilhante. Ela sorri e se apressa.

 

ESMERALDA — Lupita!

 

Foco em Lupita agora. Ela olha confusa, achando Esmeralda.

 

SONOPLASTIA: Afterglow — Taylor Swift

 

O foco alterna-se entre as duas personagens. Ambas andam em direção ao encontro. A imagem se funde numa só quando as duas finalmente se encontram. PLANO GERAL. As duas se encaram por um instante.

 

LUPITA (sorri)  — Oi. Pensei que estivesse casando nesse momento.

ESMERALDA — Como eu poderia?

LUPITA — Você ia…

ESMERALDA — Não sei bem se teria coragem.

 

As duas escutam a chamada de embarque do voo de Lupita. Esmeralda se apressa.

 

ESMERALDA — Eu não vim te convencer a ficar. Eu vim te pedir desculpas sobre as projeções que fiz sobre uma vida perfeita para mim. Eu esqueci de perguntar se você gostaria de ser incluída nos meus planos, como se você não tivesse sonhos e planos. Acabei convivendo tanto com a mãe que fiz exatamente como ela faria, e o que ela queria. Acabei por não me dar conta de quem eu era exatamente, repelindo meus sentimentos, me encharcando de dúvidas, numa luta eterna e vão comigo mesma. Não posso lhe dizer para largar tudo e conviver ao meu lado num misto de emoções tão confusas como as minhas, seria egoísta demais. Nunca, em hipótese alguma, me passou pela cabeça te fazer escolher, mas não posso mais repelir meus sentimentos, Lupita. Eu preciso te dizer que te admiro e te amo, ardentemente.

 

Esmeralda acaba de falar, trêmula. Lupita a observa, espantada, respirando ofegante.

 

LUPITA — Eu devia ter te contado sobre a viagem antes, mas eu tive tanto medo, porque eu gosto muito do que sinto por você. Eu só evitei o fim o quanto pude.

ESMERALDA — Lupita, eu sou completamente apaixonada por você, mas eu não quero ser aquela garota que parou no tempo de novo, e não quero que você passe por isso por mim. Eu desejo tantas coisas boas para você! Eu torço tanto pelo seu sucesso e me sinto tão orgulhosa que você é essa mulher corajosa. Eu quero ser assim também.

 

Lupita agarra as mãos de Esmeralda, respirando ofegante, enquanto seus olhos marejam.

 

LUPITA — Eu vou estar distante, mas ainda podemos tentar. Não sei, a gente pode se falar todos os dias para saber como foi o dia da outra. A gente pode tentar a distância. Tantos casais fazem isso.

ESMERALDA (sorri) — Lupita, respira. Está tudo bem. Há tantas coisas que você pode conhecer, tantas pessoas e novidades. Podemos conversar, saber do dia uma da outra, mas podemos explorar o que vem por aí ao mesmo tempo.

LUPITA — Acha mesmo que o que sentimos é temporário? Que vai passar, assim, do nada? Acredita que realmente não é sincero.

ESMERALDA — É sincero, é genuíno. Nesse momento, agora. E sobre ser passageiro, o que não é? E se não for, nós vamos estar aqui, prontas para tentar mais uma vez. Eu não sei como serão os dias de agora em diante.

 

Esmeralda deixa que as lágrimas caiam no seu rosto, depois levanta o olhar para Lupita. Ambas emocionadas.

 

LUPITA — É o que resta depois dos corações acelerados.

ESMERALDA — É o que podemos ser depois disso.

 

Lupita abraça Esmeralda fortemente. As duas se enlaçam por um instante. Depois se afastam, fecham os olhos e se beijam, com as mãos entrelaçadas. CAM, em uma sequência de entrecortes, capta o beijo de diferentes ângulos. Elas se beijam demoradamente, intensamente, prazerosamente.

 

VOZ — Última chamada…

 

Elas se desenlaçam. Lupita se afasta, as duas largam as mãos.

 

CAM. Lupita passa a andar em direção a porta de embarque, enquanto Esmeralda a observa se afastar. Não queria vê-la partir. Antes mesmo que Lupita atravessasse a porta, Esmeralda virou o rosto e passou a andar, buscando a saída mais próxima do aeroporto. CAM a acompanha. Acaba trombando com alguém que segurava um copo gigante de suco de frutas vermelhas, sujando seu vestido de noiva branco.

 

Eles viram-se um para o outro, afobados. FELIPE SOUZA, passa a mão pelos cabelos cacheados, extremamente boquiaberto e preocupado.

 

FELIPE — Ah, meu Deus. Por favor, diz que esse vestido de casamento é só uma fantasia e que você não vai se casar hoje.

 

Chocada, Esmeralda olha a mancha vermelha no vestido e sorri, levantando a cabeça para Felipe, com seu rosto todo iluminado pelo sol. Ele sorri, simpático.

 

ESMERALDA — Não. Na verdade, eu até fugi do meu casamento.

FELIPE — Por que? Ah, esquece. Nem é problema meu. Desculpa, eu tô tão atrapalhado. É que eu tenho uma residência no Rio para o lançamento do meu livro e o meu voo vai sair daqui há pouco. Mas, então eu acho que te fiz um favor… né?

ESMERALDA (ri) — É, acho que encontrei motivos para continuar vivendo. E o casamento, definitivamente, não está entre eles.

 

Felipe ri e depois olha para Esmeralda, com os olhos brilhando, contente.

 

FELIPE — Taí… Gostei disso.

 

Os dois se despedem com o aceno e Felipe se vai, arrastando a mala. Esmeralda olha para a mancha no vestido, ri novamente, e se vai também, balançando os braços.

 

ESMERALDA — Essas mangas bufantes idiotas…

 

CORTA PARA:

 

 

04  INT. MANSÃO DE MARTIN, CORREDOR — DIA.

 

Estão Martin e Lupe, parados na porta do quarto secreto, de mãos dadas. Martin afrouxa a gola do terno do casamento. Depois percebe que ainda usa o cravo branco, tira com desgosto e o joga no chão com vontade. Limpa a garganta depois da quebra de tensão da cena, voltando.

 

MARTIN — Você tem mesmo certeza que quer ver isso?

LUPE — Sim.

 

Lupe balança a cabeça e bebe refrigerante no copo, de canudinho, que subitamente apareceu na cena. Martin o olha, confuso.

 

MARTIN — Ok. Então, lá vai.

 

Martin gira a chave e empurra a porta. Toda a luz que entra na sala escura não é o suficiente para nos revelar o que tem dentro. Lupe adentra, caminhando até o meio do quarto. Martin, atrás dele, ajeita o terno e liga as luzes.

 

SONOPLASTIA: S&M — Rihanna.

 

As luzes se ascendem aos poucos, dando um ar teatral. Foco em todos os cantos do quarto. Revela-se um quarto repleto de manequins e adereços típicos do BDSM. Desde chicotes, roupas de látex à algemas, plugs anais, cadeira de bondage, plumas. Foco no queixo de Lupe caindo no chão e Martin, ao fundo, escondendo o rosto, em extrema agonia.

 

LUPE — Puta que… Pra que que serve aquilo ali?

 

Lupe torce o pescoço, confuso. Arregala os olhos quando percebe.

 

LUPE — Não, esquece, eu não quero saber.

MARTIN — Você já viu, tá ótimo. Agora podemos sair daqui.

LUPE (surpreso) — Ah, meu Deus. VOCÊ SE EXCITAVA QUANDO EU BATIA EM VOCÊ…?!

 

Lupe deixa o queixo cair novamente, mas desta vez olha diretamente para a câmera, do lado dele. Surpreso. Para o público. Depois volta para Martin, nervoso e encurralado.

 

MARTIN — Não, isso não tem nada a ver!

LUPE — Claro que tem. Você é tão sádico. Como eu não percebi antes?

MARTIN — Escuta, eu não gosto de apanhar…

 

Lupe se vira para Martin e mete a mão em seu rosto, depois se assusta, empolgado.

 

LUPE — Uuhh.

MARTIN — Por que você fez isso?

LUPE — A gente pode usar aquilo ali!

 

Lupe aponta.

 

MARTIN — Ok, acho que me arrependi de ter te mostrado isso, e…

 

Quando Martin se dá conta, Lupe está alisando o chicote, animado. Ele vai até ele e tira o chicote da sua mão.

 

MARTIN — Quer largar isso?

 

Em Martin, com as mãos na cintura, bravo. Lupe dá um beijo em Martin, segurando seu rosto com as mãos.

 

LUPE — Era por isso que você estava sendo o cachorrinho da Roxana esse tempo todo?

MARTIN — Ela me ameaçava o tempo inteiro. Já pensou no escândalo que isso seria? Eu sou um empresário sério.

LUPE — Você podia ter me contado. A gente dava um jeito e evitaria, tipo, uma série inteira.

 

Martin morde os lábios, pensativo.

 

MARTIN — É.

 

Dá de ombros e depois sai andando para fora do quarto. Lupe olha novamente para a câmera, revoltado.

 

LUPE — Que bosta de desgaste narrativo.

MARTIN — Vambora…

 

Lupe revira os olhos, em negação, e depois sai de cena.

 

CORTA PARA:

 

05  EXT. RUA - DIA

 

POV.

Esmeralda, ainda vestida de noiva, caminha, enquanto alguém a segue. CAM filma apenas a personagem de costas, enquanto a acompanha, um pouco mais distante.

 

Esmeralda levanta um pouco o vestido e atravessa para o outro lado da rua. Segue caminhando até adentrar num teatro. FIM DO POV.


CAM revela Graziela, escondida atrás de um poste. Ela sorri, determinada.

 

GRAZIELA — Finalmente. Finalmente você terá o que merece Esmeralda Dellarosa. Assim como a minha estrela, a sua também se apagará.

 

Graziela continua a encarar o teatro onde Esmeralda entrou. CLOSE UP em seus olhos.

ENTRA.

 

= = FLASHBACK ABERTO = =

 

CLOSE UP nos olhos brilhantes de Graziela. CAM vai se afastando, mostrando uma imagem completa da personagem quando criança. Ela sorri e corre pelo espaço. Um estúdio de gravação. Várias meninas com idade de dez anos se encontram no local.

 

Graziela, de repente, é pega nos braços por uma mulher. SORAYA.

 

SORAYA  — Graziela,comporte-se. Eles precisam ver que você é uma menina educada. Seu talento, com certeza, vai te levar a ser a estrela desse comercial, mas eu preciso que você me escute, entendeu? Filha, preste atenção em mim.

 

Soraya se abaixa até ficar cara a cara com Graziela, que escuta tudo, obedecendo. Em Soraya. Ela agarra o rosto de Graziela, com determinação e delicadeza, mas seu olhar fixo demonstra uma obsessão. Graziela presta atenção nos lábios vermelhos da mãe e na sua pinta acima dos lábios, amedrontada.

 

SORAYA — Você será a “Garota Bacana”. A estrela desse comercial. Eu vi os olhos de cada um dos jurados. Logo, também, será a estrela desse país. É o nosso sonho, não é?

 

Graziela balança a cabeça, sorrindo.

 

GRAZIELA — Preciso ir ao banheiro, mamãe.

SORAYA — Vá rápido, já chegarão com os resultados dos testes.

 

Soraya sorri, ajeitando a compostura.

 

UM CORTE DE CENA no FLASHBACK mostra Graziela num dos corredores, indo ao banheiro enquanto pulava amarelinha. A menina escuta vozes de uma sala e nota uma porta entreaberta. Aproxima seu rosto.

 

POV. Uma mulher chique, vestindo saia preta e blusa de paetê dourada, com o cabelo amarrado num coque e batom vermelho nos lábios. Sorri para um homem de terno.

 

ROXANA — Bom, sei que você pode fazer alguma coisa. Pelos bons velhos tempos.

HERNANDE — Mas os produtores já escolheram, Roxana. A “Garota Bacana” será Graziela Belmonte, a ruivinha.

ROXANA — Ah, por favor, aquela água de salsicha não é páreo para a minha Esmeralda.

HERNANDE — Não é o que os produtores acham.

ROXANA — Convença os produtores do contrário, que Esmeralda convencerá o Brasil da estrela que ela nasceu pra ser.

HERNANDE — Será a última coisa que faço por você. Depois, você e esses seus sapatos chiques já não precisarão mais de mim quando me tornar chefe de um restaurante popular, não é mesmo?

ROXANA — Darling, o show business sempre vai te acompanhar…

 

CORTE. Vemos Soraya, agarrada à mão de Graziela, enquanto ambas veem Roxana e Esmeralda comemorarem a escalação da menina para o comercial. CLOSE UP nos olhos de Graziela.

 

= = FIM DO FLASHBACK = =

 

06   INT. TEATRO —  DIA.

 

CAM filma Esmeralda, de costas, na plateia de um grande teatro. Depois em Graziela, cautelosa, caminhando até ela, em extrema hesitação. Ela está armada, apontando para Esmeralda

 

GRAZIELA — Seu castelo começou a cair Esmeralda Dellarosa? O meu só está começando a se erguer. Você sempre teve tudo de mão beijada, sua vaca!

 

Graziela dá uma com o cabo da arma na cabeça de Esmeralda, que caí desmaiada no chão.

 

GRAZIELA — Agora é a vez do meu ato.

 

Graziela sorri, maquiavélica. Depois é atingida por uma pancada na cabeça, que a faz cair desmaiada do lado do corpo de Esmeralda. Logo Esmeralda se levanta e a câmera pôde focar em seu rosto.

 

Revela que na verdade não é Esmeralda Dellarosa, e sim um homem disfarçado. Ela arranca a peruca da cabeça e bufa.

 

HOMEM — Passo para a próxima fase agora?

VOZ (V.O) — Não!

 

Foco no rosto de Graziela. Borboletas roxas voam sobre. Desta vez, CAM acompanha o movimento das borboletas, até o
EXT do teatro, sobrevoando o céu. Sons de buzinas de carro por toda a parte.

 

07  EXT. PARIS, FRANÇA — DIA.

 

SONOPLASTIA: Les Plus du Quartier — Carla Bruni

 

LETREIRO: Un Año Después… em França, Paris.

 

Alguns takes da cidade são mostrados na tela, como pontos turísticos: Arco do Triunfo, Catedral de Notre-Dame e alguns parques.
CAM aérea. Vemos Lupita andar de bicicleta, com os cabelos cheios ao vento, pela cidade.
TROCA DE CAM. Foco em seu rosto. Ela sorri, serena.

 

LUPITA (V.O)  — (...) É que aqui é tudo tão diferente, mas diferente bom! Sinto falta da pimenta do A La Mexicana. Como seria se Romeu e Julieta fossem franceses? Eu penso em você de vez em quando, sabia? Você meio que sumiu. Ok, você sumiu da mídia, mas você sempre foi uma pessoa que não consegue esconder seu brilho. Eu tenho aprendido muito no curso, pero estoy hasta la madre de esto! (ri).

 

CORTE RÁPIDO PARA:

 

08  EXT. PALAIS DE CHAILLOT. PARIS, FRANÇA — NOITE.

 

CAM SE APROXIMA DA IMAGEM DE LUPITA. Em seu rosto, sorrindo, empolgada, ao celular, enquanto observa a Torre Eiffel do pátio do Palácio, iluminada, com o sol já se pondo atrás dela. CAM. Seus olhos se iluminam. Ela veste um uniforme de Chefe.

 

LUPITA — É claro que estarei aí brevemente. Eu concluo o curso mês que vem. É, nem parece que faz um ano! Eu estou morrendo de saudades de todo mundo. Já aviso que trarei novidades, heim? Ah, você sabe (T) Esmeralda Dellarosa, você toma cuidado!

 

Lupita olha rapidamente para trás. Volta.

 

LUPITA — Agora vou ter que desligar. O pessoal do buffet me chama. Adiós, te quiero mucho, cariño!

 

Lupita desliga, agarrando o celular contra o peito, felicíssima.

 

ANGÈLE — Lupita, vem cá! Estamos atrasadas! Qu’est-ce qu’il ne va pas?

LUPITA — Ah, não. Eu só estou um pouco emotiva agora, mas esquece. Alors, on y va?

 

Lupita se apressa, mas ANGÈLE, agarra sua mão. As duas sorriem uma para a outra.

 

ANGÈLE — Você tem uma péssima mania de sair sem se despedir das pessoas.

LUPITA — Estamos aqui a trabalho, Angèle.

ANGÈLE Si prude! C'est ce que j'aime chez toi.

LUPITA (nervosa) — Ai, odeio quando você fala palavras difíceis.

 

Angéle faz uma careta carinhosa para Lupita, que sorri. As duas se beijam. CAM vai se afastando das duas, mostrando todo o cenário e trânsito das pessoas, harmonizando com a cena. Lupita ri e sai andando às pressas, deixando Angèle, parada, a observá-la.

 

CORTA PARA:

 

09  EXT. PRAIA DA TIJUCA — DIA.

 

LETREIRO: Rio de Janeiro, Brasil.

 

Logo de cara, CAM é atingida por um tapa de onda jogada por uma prancha de surfe.

ENTRA.
SONOPLASTIA:
Brighter Than The Sun — Colbie Caillat

 

CAM revela Esmeralda, em cima de uma prancha de surfe, flutuando nas ondas do mar, sorridente. Ela corta a água, sem medo, ágil. Equilibrada por um tempo, Esmeralda avista a onda de logo mais e se prepara, passando por ela num salto aéreo de tirar o fôlego. Ela cai depois no mar, emergindo, comemorando.

 

ESMERALDA — Consegui! Isso!

 

= = CORTE DESCONTÍNUO = =

 

TROCA DE CÂMERA. Filma Esmeralda da superfície da praia. Ela sai andando, com sua prancha em mãos. Quando chega, a enterra na areia, sacudindo o cabelo curto, enquanto vislumbra a imensidão do mar.

 

CELINA — Ah, meu Deus, você é a Esmeralda Dellarosa? A atriz famosa?

 

Esmeralda vira-se para a mulher, que segura uma criança pelas mãos.

 

COCO — Não, mamãe, ela é uma sereia. Ela saiu do mar, você viu!

 

Esmeralda sorri e se abaixa para falar com a menina.

 

ESMERALDA — Você também pode ser uma sereia sabia?

COCO — Sério? Ah, mas eu queria ser uma princesa, mas eu também queria ser uma sereia, só que eu também queria ir para o espaço. Será que tem uma princesa sereia do espaço?

ESMERALDA (pensa) — Não, mas você pode ser a primeira. Já pensou? Você pode nadar nas nuvens e pescar estrelas!

COCO — Mamãe, eu quero ser uma princesa sereia do espaço! Eu posso ser uma princesa sereia do espaço, não posso?

CELINA — Claro que pode!

COCO — Eu vou ser a primeira princesa sereia do espaço do mundo! Não conta pra ninguém, heim?

 

Esmeralda, divertindo-se, faz sinal de boca fechada. Ouvem-se risos de um menino da mesma idade da criança. CAM. Ele aponta, achando engraçado.

 

ENZO — Sua idiota, não existem princesas sereias do espaço! Só meninos podem ir para o espaço!

 

Foco na menina. Coco agarra um punhado de areia, brava, e joga na cara de Enzo, que começa a chorar e gritar, esfregando os olhos.

 

COCO — Quando eu for a princesa sereia do espaço, eu vou te transformar em poeira e te fazer ser engolido por um buraco negro!

CELINA (desesperada)  — Filha, pelo amor de Deus…

 

Assustada e lisonjeada, Esmeralda, vira-se, disfarçando, fingindo estar entretida com o mar, enquanto a discussão acontece atrás dela. Depois ela ri, mas se sente culpa, e depois ri novamente.

 

10  INT. CENTRAL PURPLE DE ACOLHIMENTO PARA VILÕES, SALA DE PASSAGEM  — DIA.

 

LETREIRO: Em algum tempo atrás…

 

CAM. Vemos uma mulher sentada numa cadeira, dentro de uma sala escura. Um saco em sua cabeça. Inquieta, ela se atenta aos sinais. A sala é iluminada após o som da porta abrindo. CAM foca nos sapatos sociais pretos lustrosos caminhando na direção dela. Depois foca no ajeitar do terno do homem, especialmente no broche em formato de borboleta, na cor roxa. Ele brilha.

CORTE. O saco é retirado da cabeça da mulher. Revela Graziela, assustada.

 

GRAZIELA — Quem é você? O que é que eu tô fazendo aqui?

 

A CÂMERA PASSA DE GRAZIELA para o rosto de ADO LAMBERTINI, sorrindo.

 

ADO — Seja bem-vinda a Central Purple de Acolhimento para Vilões. Me chamo Ado Lambertini, presidente e guia dessa organização ultrassecreta e, provavelmente, a pior pessoa para se ter como inimigo. Acomode-se, mas não tanto, pois agora que você foi convocada, sua vida nunca mais será a mesma.

 

GRAZIELA — Mas, que porra/

 

CORTE RÁPIDO PARA:

 

11  INT. CENTRAL PURPLE DE ACOLHIMENTO PARA VILÕES, CORREDORES — DIA.

 

ADO — Nós somos a mais importante organização de sabotagem do mundo!

 

Ado fala, enquanto caminha pelos corredores gigantes da Sede da Central. Ao seu lado, as paredes de acrílico revelam treinamentos especializados dos agentes oficiais, recentemente recrutados.

 

Em Graziela anda, ainda muito perdida, seguindo Ado, enquanto atrás de si, dois seguranças grandes. CAM acompanha.

 

GRAZIELA — Eu não estou entendendo. Por que eu estou aqui?

ADO — Cinismo? Hm. Um ponto alto seu. Vai se dar bem nas aulas de fingimento e estratégias de fuga.

GRAZIELA — O quê?

ADO — Ai, garota. Será que você não percebeu? Hello! Por que você acha que isso aqui se chama Central Purple de Acolhimento para Vilões? É para cá que todos os vilões, e potenciais vilões são mandados.

GRAZIELA — Isso não é possível…

ADO — É claro que é. Eu também não acreditava. Mas, quando eu me encontrava perdido e sem esperanças, depois de ter meu mais genuíno amor jogado no lixo pelo idiota do meu ex-chefe, eu fiz de tudo por ele, mas isso não vem ao caso agora, eu entrei num elevador e vi meu mais novo motivo, uma pessoa pela qual eu pudesse despejar todo o amor que existia em mim. Eu me infiltrei, comecei a trabalhar com ele, cuidar da vida, da agenda, da casa, do guarda-roupa (suspira). Eu estava decidido a não cometer os mesmos erros anteriores. Três vestidos de noiva e uma passagem para Ibiza. Depois de um tempo investigando sua vida, eu descobri que ele, na verdade, era um agente da C.P.A.P.V e estava numa missão de destruição de matrimônio e furto de herança. Encurtando tudo, foi assim que cheguei até aqui.

GRAZIELA — Ok… mas eu ainda não entendi como vim parar aqui!

ADO — Somos uma Organização Ultrassecreta, meu amor. Trabalhos com criptografia, códigos de alta ponta. Filtramos suas personalidades desde os seus nascimentos. Temos infiltrados em todos os hospitais do país. Daí classificados, pelo histórico de vida trágica, antepassados e condição social. Essas crianças são chamadas de potenciais vilões. Algumas realmente se perdem no caminho e outras seguem sendo ocasionalmente ruins. Eu tenho sua ficha, Graziela Belmonte.

 

Ado estala os dedos e um gráfico surge pouco a cima de sua cabeça com fotos de Graziela e alguns dados importantes sobre ela.

 

ADO — Coitadinha. Por pouco você não passa no teste. Já pensou se tivesse conseguido ser a “garota bacana”? Aliás, nossa equipe sempre achou que Esmeralda Dellarosa era uma vilã em potencial. Você quase perde isso pra ela também.

GRAZIELA (raiva) — Eu ia acabar com ela! Mas vocês me impediram.

ADO — Não, querida, não ia mesmo. HmHm. A vida dela já estava decidida. O casamento foi impedido, seu grande amor viajou pra europa, ela desistiu de ser atriz, deu um chega pra lá na mãe. O que você ia fazer com ela? Como ia arruinar a sua vida?

GRAZIELA — Não sei, talvez, talvez, talvez eu matasse ela.

ADO — Ah, você não ia querer fazer isso. Vilões que matam de propósito são mandados para outro departamento. Eu não queria estar lá se fosse você. Os que matam acidentalmente, dependendo da situação, a gente resgata para cá. Mas, alguns só são assassinos. Sem potencial para vilanias. Aí eles vão para a cadeia. A gente humilha, maltrata, arma confusões, causamos explosões, discussões, fazemos o inferno no geral, mas existem coisas que são terrivelmente triviais. A quase maioria dos direitos humanos a gente quase respeita.

GRAZIELA — O que vocês vão fazer comigo?

ADO — Antes de ser mandada para uma missão do nível C, você será treinada para ser uma vilã melhor, mais bem articulada, sabe? Você até que mandou bem, mas organizou muito mal sua estratégia.

GRAZIELA — Qual o nível mais alto que eu posso chegar?

ADO — Nível P.

GRAZIELA — Não teria que ser nível A?

ADO — P de Purple, garota, se liga.

GRAZIELA — Como você chegou onde está agora?

 

FOCO. Ado sorri. Ela empurra uma porta dupla gigante.

 

12  INT. CENTRAL PURPLE DE ACOLHIMENTO PARA VILÕES, SALA PRESIDENCIAL — DIA.

 

Somente Ado e Graziela adentram numa sala consideravelmente grande e muito bem iluminada. Foco. Uma escultura de borboleta gigante em tons de roxo, com alguns diamantes cravados bem no centro, logo à frente da bancada. Ado para, admirando a escultura com brilho nos olhos.

 

GRAZIELA — O que… é isso?

ADO — A Purple. É ela quem manda em tudo aqui dentro. Essa entidade infernal e magnífica, ninguém sabe as origens. É a chefona mundial da Central Purple.

GRAZIELA (ri) — Fala sério. Uma borboleta roxa é o motivo do caos do mundo? É claro que há uma pessoa por trás. Esses malditos fakes estão por toda a parte.

ADO — Se tem, ninguém sabe quem é. Alguns nomes já foram citados, pessoas já foram canceladas no Facebook…

 

Ado ri. Graziela fica apenas confusa. Ela se aproxima da bancada, suspirando, enquanto Ado está hipnotizado em seu vislumbre. Ele se debruça um pouco sobre a mesa, segura seu cabelo ruivo e aperta os olhos para enxergar melhor um nome gravado na bancada.

 

GRAZIELA — Quem é Tena Andrade?

 

Num sobressalto, Ado faz sinal para que Graziela se cale.CAM POV. Os dois são observados através das câmeras de seguranças espalhadas por todos os cantos da sala. Volta para Ado, assustado, verificando.

 

ADO (sussurra) — Não falamos dela por aqui. Eu já vi a Purple incinerar até transformar um em pó com seu raio lazer por citar, você sabe quem, nesta sala.

GRAZIELA — Credo.

 

Os dois afastam um calafrio. CAM volta a focar na Purple. Uma tela projetada surge acima da escultura. A imagem de JAILSA TENTAÇÃO surge, sorridente.

 

JAILSA (cantarola) —  Ão, Ão, Ão, sou Jailsa Tentação, meus amores.

 

Ela bate as unhas postiças na tela e depois olha Ado, de cima a baixo, mascando chiclete.

 

JAILSA — E aí, coisinha? Tudo em cima?

 

Foco. Ado revira os olhos.

 

ADO (à Graziela) — E essa daí…

JAILSA — Jailsa, prazer com certeza. Chefe dele.

ADO — É a representante da empresa… não sei por quê.

JAILSA — Ouvi um assovio de muriçoca por aí? Você ouviu Biônci? Menina, você acredita que a ridícula da Kelly fez um papelão na igreja? Notei que ela tava bronzeada, artificial aquilo ali. E o cabelo dela? Totalmente aplicado, barato que eu reconheço. Ah, ela não tem vergonha, não tem mesmo. Fica de olho aí no Instagram dela, assim que ela postar uma foto, você fala mal dos cílios dela, da maquiagem e o do vestido barato que ela tiver usado, que ela é flopada.

ADO — Foco aqui, por favor!

JAILSA — Ih, que isso? Dando ordem na chefe? Segura sua onda, oh qualquer coisinha recalcada. Ele não aceita que eu seja senadora e tenho plenos poderes os quais ele deve acatar.

ADO — O certo seria acatar ordens, não…

JAILSA — SHIIU. Olha, vamos andar logo com isso, que eu depilei com a masoquista da Vânia e tô toda me pinicando aqui embaixo. Você tem minha benção, menina, aprovadíssima. E esse cabelo?

GRAZIELA — O que é que tem meu cabelo?

JAILSA — É natural?

GRAZIELA — É.

JAILSA — Ruiva de nascença?

 

Graziela confirma. Jailsa fica parada, mascando seu chiclete, enquanto olha com desdém para Graziela.

 

JAILSA — Mas também não me faz falta. Quem não é ruiva hoje em dia? Como é Biônci? Ela inventou o que de mim? ISSO É FAKE NEWS BIÔNCI, PELO AMOR DE DEUS, TIRA ISSO DO AR.

 

O projetor é desligado.

 

ADO — Graças à Purple. Enfim, isso já demorou demais. Devidamente abençoada.

 

Ado retira do paletó um broche de borboleta purple e encaixa na camiseta de Graziela. Foco, ele brilha.

 

ADO — Agora você é oficialmente uma vilã em construção. Vamos mostrar para esses mocinhos sem graça o que vem depois do felizes para sempre.

 

Ado sorri, malicioso para Graziela, que retribui o sorriso, radiante.

 

CORTE RÁPIDO PARA:

 

 

13  INT. CENTRAL PURPLE DE ACOLHIMENTO PARA VILÕES, CORREDORES — DIA.

 

SONOPLASTIA: Lady Gaga - Telephone ft. Beyoncé

 

CAM. Filmado, Ado e Graziela e uma tropa de vilões em treinamento andando em formação em SLOW. Todos com seus broches. Eles vão se aproximando da Câmera, enquanto a música toca no fundo. Logo na frente deles, surgem duas borboletas roxas sobrevoando o local. Elas passam pela CAM segundos antes do corpo de Ado engoli-la.

 

= = A TELA ESCURECE = =

 

14  EXT. MANSÃO BRACAMONTES, JARDIM — DIA.

 

LETREIRO: Tempos atuais.

 

TROCA DE SONOPLASTIA: Lo Que Siento Por Ti — Miranda!

 

ABRE A CENA num PLANO GERAL. O jardim da mansão Bracamontes está cheio de pessoas. Acontece uma festa. Garçons circulando por todas as partes. Foco em alguns, com seus uniformes do A La Mexicana Takes entre os convidados e as mais variadas flores espalhadas pelo local ensolarado. CAM flagra ALTINA MARIA, JESSICA BE e ANY ALLEN virando a taça de uma vez e depois tossindo.

 

Logo, ela acompanha MIGUEL DELLAFRANCO e JULIANO BARCELLOS, passeando por entre o jardim. Miguel, de mau humor, enquanto Juliano se mostra encantado com tudo.

 

MIGUEL — Que ideia idiota essa de substituir o champanhe por cerveja.

JULIANO — Se chama Chela.

MIGUEL — Só podia ser ideia do mau carácter do Martin Bracamontes, aquele abutre.

JULIANO — Para de ser tão chato.

MIGUEL — Você que é legal demais.

 

Miguel sorri para Juliano, e os dois seguem andando. Depois a câmera foca no fotógrafo da festa, cobrindo o rosto com a CAM enquanto registra os momentos. Revela ser EVERTON B DUTRA, que logo abaixa a câmera fotográfica e verifica as fotos tiradas.

 

Surgem, então, THALITA, LORENZO, LUCAS, ARIADNE, E MATTHEW CARVALHO. Os três riem alto, enquanto passeiam. CAM foca no rosto de Thalita, surpresa.

 

THALITA — Ah, meu Deus, você é o Everton Brito?

 

Everton levanta a cabeça, surpreso.

 

EVERTON — Ah, não, imagina, eu não sou o Everton Brito.

MATTHEW — É que você parece muito o Everton Brito.

EVERTON — É que, na verdade, eu sou o Everton B Dutra, né? Tem o B e depois o Dutra.

ARIADNE — Meu Deus, é o Everton Brito!

EVERTON — Não, eu não sou o Everton Brito, não tem nada a ver…

LUCAS — Tem certeza?

EVERTON — É que meu rosto é bem comum. Deve ser por isso.

LORENZO — Hm. Que engraçado. Parece que você está por toda a parte.

 

Lorenzo sorri e o grupo segue andando e rindo normalmente. Everton sorri, sereno. CAM vai se afastando do seu rosto e revela que Everton usa um broche em formato de borboleta cor de rosa. Ele brilha.

 

Everton olha em volta, todas as pessoas reunidas, satisfeito. Ele acaricia a câmera fotográfica, melancólico.

CAM.

E caminha, se afastando do local. Aperta um ponto atrás de sua orelha.

 

EVERTON — Tudo certo por aqui.

 

CAM AÉREA. Pega Everton caminhando pelo gramado verde até sair completamente de cena. TROCA DE CAM. Jéssica Be observa Everton ir embora, boquiaberta.

 

JÉSSICA BE — Quem é Everton Brito, afinal?

 

Albertina cochicha em seu ouvido. Jessica Be abre mais ainda a boca, vendo Albertina confirmar com a cabeça, incrédula.

 

JÉSSICA —  Eca! Ele é tão desesperado por atenção.

ANY — Total!

 

Em Any, Jéssica e Albertina, indignadas, em negação.

CORTA PARA:

 

15  EXT. MANSÃO BRACAMONTES, JARDIM — DIA.

 

CAM. Esmeralda toma um gole de cerveja e depois olha para a taça, fazendo cara feia. Depois olha para o lado e avista Lupita chegando de mãos dadas com Angèle. Foco em seu rosto. Ela sorri, contente. Depois, CAM se volta para Lupita, que se anima ao vê-la.

 

ESMERALDA — Meu Deus! Você veio!

LUPITA — Tive que vir. Não perderia a comemoração de um ano de casamento do Lupe com o Martin. É um fenômeno da natureza.

ESMERALDA — Eu também nunca pude imaginar!

LUPITA — Ok, eu quero te apresentar a Angèle, minha namorada! Angèle, essa é Esmeralda Dellarosa, minha melhor amiga.

ESMERALDA — Oi!

 

Esmeralda e Angèle se cumprimentam num abraço.

 

ANGÉLE — Eu vi você numa revista certa vez!

ESMERALDA — Você tem que me vir nas ondas, isso sim! Aliás, eu preciso provar aquele… como se chama aquele doce que a Angèle fez e você me mandou a foto… ? Clafoutis? Tô louca pra provar independente da minha pronúncia.

 

As três riem. 

 

LUPITA — Onde está a Roxana?

ESMERALDA — Num cruzeiro, acredita? Conheceu um mexicano bonitão e agora ela dedica os dias tomando conta da vida dele.

LUPITA — Acho melhor a gente ir se juntar aos outros. Tô vendo a hora do Lupe ter um colapso nervoso se eu não aparecer.

 

As três confirmam e seguem andando.

 

ESMERALDA — Estou tão feliz por você…

 

16  EXT. MANSÃO BRACAMONTES, JARDIM — DIA

 

CAM foca nos convidados, tumultuados em frente há um pequeno palco. Foco em Lupe e Martin. Lupe observa a plateia e se anima, acenando para Lupita quando ela aparece. Ela retribui, também animada.

 

LUPE — Agora, sim. Está tudo completo. Presta atenção aqui todo mundo!

 

Martin conversa com Miguel, forçando um sorriso, enquanto Lupe o observa e dá uma cotovelada.

 

LUPE — Hoje é um dia especial para nós dois. Eu venho planejando há um ano essa festa de comemoração de um ano de casamento. Quando conheci o Martin Bracamontes, eu realmente achei que ele fosse um playboy gourmetizado nesses terninhos, e quando eu casei com ele, eu tive certeza que sim, que ele é um playboy gourmetizado e adora um terninho de gente metida a besta, mas ele se tornou uma parte essencial para mim.

MARTIN — Ele diz isso agora, mas quando eu disse “eu te amo”, pareceu a pior coisa que ele tinha ouvido alguém dizer na vida.

 

Os convidados riem com a intervenção de Martin.

 

LUPE — E, às vezes, eu ainda me pergunto se não foi mesmo, principalmente quando ele se recusa a comer comida mexicana, ou esquece a toalha molhada em cima da cama.

MARTIN — Ao contrário dele, eu amo tudo que ele faz, desde o molho apimentado ao som exagerado de quando ele escova os dentes.

LUPE — Eu odeio quando ele começa a cantar no chuveiro em espanhol, porque o sotaque dele é péssimo.

MARTIN — Eu sei que ele odeia, por isso que eu enrolo a língua o máximo que eu posso.

LUPE — Eu detesto a dancinha ridícula que ele faz quando está certo e eu estou errado, ou quando ele me convence a sair para um evento chato na chantagem mais canastra que alguém pode fazer.

MARTIN — Eu digo a ele que vou convidar Taylor Swift para jantar no A La Mexicana quando ela vier ao Brasil de novo. E ele acredita!

 

Mais risos.

 

LUPE — Mas eu amo acordar de manhã e saber que eu vou ter que aturar esse mala durante todo o meu dia. Eu amo quando ele me liga nas horas que estou atolado de coisas pra fazer no restaurante. Eu amo quando ele decide fazer umas dessas declarações espalhafatosas, ou quando ele me faz ter uma overdose de flores, como vocês podem ver nesse jardim.

MARTIN — Eu amo Flores! E ele nunca me pede.

LUPE  — No te pido mismo flores! Mas, eu te amo, Martin Bracamontes.

MARTIN — E eu continuarei te dando flores, Lupe Gonzáles, porque eu te amo. Vai, pode revirar os olhos.

LUPE — Hoje não.

 

CAM. Em Martin, bobo, olhando para Lupe, que olha para Martin, sorrindo. Os dois se beijam.

ENTRA.
SONOPLASTIA:
Día De Suerte — Alejandra Guzmán

 

Os convidados comemoram, em polvorosa, eufóricos, gritam, aplaudem, se abraçam, pulam, se beijam. CAM pega cada momento particular de alguns personagens já apresentados. PLANO GERAL. Lupe e Martin, num beijo permanente, e a multidão de convidados, aglomerados, em seus próprios momentos de felicidade genuína: mão com mão, cabeças coladas, respirações pesadas, falsa indiferença.

 

Subitamente, uma verdadeira chuva de pétalas de rosas e flores recaem sobre todos. Lupe para de beijar Martin e revira os olhos, indignado. Martin dá de ombros.

 

TODOS — No Te Pido Flores!

 

E riem.

CAM vai se afastando aos poucos da cena. Borboletas rosas sobrevoam diante da Câmera, afastando-a ainda mais da cena.

 

FIM DA SÉRIE.


 

PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS DESTE CAPÍTULO
(
evertonerso):

 

 

VANESSA ROBSON…………………………………………………………… da Websérie “As Mulheres da Minha Vida” (Disponível Webtvplay)

 

KELLY MARIA…………………………………………………………………… da Websérie “As Mulheres da Minha Vida” (Disponível Webtvplay)

 

NEIDE SILVA…………………………………………………………………… da Websérie “As Mulheres da Minha Vida” (Disponível Webtvplay)

 

FELIPE SOUZA………………………………………………………………… da Websérie “Motivos Para Continuar Vivendo” (Disponível no Webtvplay)

 

MIGUEL DELLAFRANCO………………………………………………… da Webnovela “Anjo Bom” (Disponível na WebMundi e no ON.TV)

 

JULIANO BARCELLOS…………………………………………………… da Webnovela “Anjo Bom” (Disponível na WebMundi e no ON.TV)

 

ALTINA MARIA……………………………………………………………… da Websérie “Garotas de Sábado” (Disponível na Rajax)

 

JÉSSICA BE…………………………………………………………………… da Websérie “Garotas de Sábado” (Disponível na Rajax)

 

ANY ALLEN………………………………………………………………………… da Websérie “Garotas de Sábado” (Disponível na Rajax)

 

THALITA VERONESI………………………………………………… da Webnovela “Alto Agito” (Disponível no AATV)

 

MATTHEW CARVALHO……………………………………………………… da Webnovela “Alto Agito” (Disponível no AATV)

 

LORENZO SILVESTRINI………………………………………………… da Webnovela “Alto Agito” (Disponível no AATV)

 

LUCAS FERNANDES………………………………………………………………… da Webnovela “Alto Agito” (Disponível no AATV)

 

 

ARIADNE GONÇALVES…………………………………………………………… da Webnovela “Alto Agito” (Disponível no AATV)

 

JAILSA TENTAÇÃO………………………………………………………………… da Websérie “As Mulheres da Minha Vida” (Disponível Webtvplay)

 

ADO LAMBERTINI……………………………………………………………………… da Websérie “As Mulheres da Minha Vida” (Disponível Webtvplay)

 

OTÁVIO SCHUMACHER……………………………………………………………… da Websérie “As Mulheres da Minha Vida” (Disponível Webtvplay)

 


 

 


CENAs SECRETAs


 

00 INT. RESTAURANTE A LA MEXICANA - NOITE

 

De frente um para o outro, sentados numa mesa, num canto bem iluminado do restaurante já vazio, estão Hernande e Martin. Uma grande mala aberta está entre os dois, virada para Hernande, que respira pausadamente, surpreso. Foco no rosto de Martin, analítico. Ele fecha a mala momentos depois, fazendo Hernande despertar.

 

MARTIN — E aí? É o suficiente pra você?

 

Martin diz, fungando, cauteloso, enquanto ajeita o terno e olha em volta do restaurante, indiferente.

 

HERNANDE — Por que você quer comprar o meu restaurante? Quem disse que ele está a venda?

 

MARTIN — Não seja ridículo, todo mundo está à venda. Ainda mais você.

 

HERNANDE — O que quer dizer com isso?

 

MARTIN — Que você, mexicano produzido na china, não é do tipo flor que se cheire. Soube por uma velha, quando digo velha, não é no sentido figurado, e sim, velha, velha mesmo, que podemos fazer um acordo.

 

HERNANDE — Roxana.

 

MARTIN — É a única velha manipuladora que você conhece? É uma soma bem acima do que vale essa velharia aqui. Ela me coagiu a te dar essa bonificação. Considere pago o favor, seja lá qual tenha sido, que você fez à ela.

 

HERNANDE — Ainda não me disse por que quer esse imóvel.

 

MARTIN — É simples. Estou planejando um grande empreendimento e esse restaurantezinho atrapalha tudo. É só o que você vai saber.

HERNANDE — Tudo bem, eu vendo.

 

Hernande diz, agarrando a mala e sendo parado por Martin.

 

MARTIN — Espera, tão rápido assim?

 

HERNANDE — Não, tem uma coisa. Eu vendo o restaurante, mas você tem que ser o vilão da história.

 

MARTIN — Como é que é?

 

HERNANE — Mira, meus funcionários, que são como uma família para mim, acreditam fielmente na minha índole. Eles acham que eu amo esse restaurante, tanto que recusaria qualquer dinheiro que me oferecessem para vendê-lo.

 

Hernande olha para a mala de Martin, tentado.

 

HERNANDE — Mas eu preciso desse dinheiro. Estou cheio de dívidas, do restaurante, inclusive. Ele não sendo tão lucrativo como imaginei…

 

MARTIN — Tá, pula a parte do seu sofrimento por ser um bom homem trabalhador e me diz logo o que eu tenho que fazer, vai.

 

HERNANDE — Bom, tudo tem que parecer que foi uma armadilha feita por você para conseguir o restaurante. Eu não sei como você vai fazer isso, mas eu sei que dará um jeito. Gente mau caráter sempre dá.

 

MARTIN — Olha só quem fala.

 

HERNANDE — Eu somo por um tempo e depois volto, com a desculpa de que estarei arruinado por tudo que você me fez passar. Daí eu anuncio que você é o novo dono do restaurante. Afinal, essa seria a única alternativa. Eles entenderiam e ponto final. Você fica com o restaurante e eu sumo do mapa depois.

 

MARTIN — Que jeito estranho de dizer que ama uma família você tem, mas tudo bem, se esse é mais um preço que eu terei de pagar em nome do meu empreendimento, tudo bem, tudo bem. Eu vou ser o vilão dessa novela mexicana tosca, com direito a interpretações sigilosas e frases de efeito soltas do nada após a conclusão de um plano infalível, como “Vamos ver se aquele mexicano de uma figa não vende o maldito restaurante agora”. Essa é boa, né?

 

Martin ri alto, incontrolavelmente, enquanto Hernande agarra a mala de dinheiro e revira os olhos, ao passo que Martin se contorce na cadeira.

 

PLANO GERAL. CAM se desloca, tirando de foco os dois e passando a manter-se na porta de entrada do restaurante. Vamos, pelo vidro dela, um raio iluminar a rua fora. Logo, notamos também, que começa a chover.

 

01 EXT. PONTO DE ÔNIBUS, NOITE.

 

CAM. Encontra-se Lupe, um pouco molhado, apertando os olhos para enxergar meio a chuva forte. Ele pragueja, agarra seu celular e verifica as horas.

 

LUPE — Poxa, mas que azar danado, heim? Esse ônibus não vem mesmo pelo o que parece. ¿Qué más necesito que suceda? ¡Por Dios!

 

02 INT. CARRO DE MARTIN BRACAMONTES, NOITE.

 

Martin acaba de parar no sinal. Parabrisas ligados. Ele balança a cabeça, dançante, com I'm Gonna Be (500 Miles)- The Proclaimers tocando. Batuca com os dedos no volante. Inquieto, ajusta o retrovisor. CAM. Ele vê, em seu banco traseiro, repousado, um buquê de cravos brancos. Cerra os dentes. Observa o sinal, tira o cinto de segurança e, se esgueirando sobre os bancos, agarra o buquê. Volta para o banco de motorista. Desajeito, tira o bilhete do buquê.

 

MARTIN — Da sua querida, Roxana. Ah, que velha… Ela vai ver só o que eu faço com essa merda de cravos brancos.

 

03 EXT. PONTO DE ÔNIBUS, NOITE.

 

VOLTA em LUPE, com os braços cruzados, vendo a chuva. Não demora e seu rosto é atingido em cheio por um buquê de flores cravos brancos, jogado da janela do carro de Martin, estacionado ao seu lado. Ele, surpreso, e irado, se abaixa para agarrar o buquê.

LUPE — Olha aqui, seu filho da… Ei, volta aqui, mostra a sua cara! Cretino!

 

Lupe bate no vidro, levantado, da janela. O carro parte poucos segundos depois, com a abertura do sinal. Ele, na chuva mesmo, levanta o buquê para cima.

 

LUPE — Eu te pedi flores, por acaso? Por que você não enfia esse buquê no…

 

O som da sua voz é cortado pelo barulho do trânsito e das buzinas da rua. Seu rosto é iluminado por um farol.

 

LUPE — Abusado.

 

CAM. Lupe avista o ônibus parando no ponto, bem à sua frente.

 

LUPE — Ah, também já não era sem tempo!

 

Lupe olha o buquê de cravos brancos e os joga no chão, indo em direção ao ônibus. CAM foca no buquê, jogado no chão, numa poça de água, iluminado unicamente pelo farol do ônibus.

 

O ônibus passa por cima do buquê de flores.

 

 


Fim das CENAs SECRETAs


 

Agora, sim, fim da série.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




No Te Pido Flores 

Temporada 1 | Capítulo 10

 

Criado e Escrito por:

Everton Brito

 

Produtora:

Everton Brito Produções

 

Elenco Principal:

Lupe – Ícaro Silva

Lupita – Aline Dias

Martin – Rômulo Estrela

Esmeralda – Pamela Tomé

 

Rajax © 2021


close

menu cel