Ilusão - (Capítulo 1 ao 8 + Nota de esclarecimento).


NOTA DE ESCLARECIMENTO


NOVELA DE: GABRIEL MARTINS FRANCO

ILUSÃO
CAPÍTULO 01
COM:
VITÓRIA STRADA - IZADORA
RODRIGO SIMAS - BRUNO
VIVIANE PASMANTER - MARTHA
LAVÍNIA VLASAK - LARISSA
GABRIEL BRAGA NUNES - MAURO
ALEXANDRE BORGES - AGENOR
HUMBERTO MARTINS - GILBERTO
MARCOS PASQUIM - JORGE
MARIA EDUARDA DE CARVALHO - ESTELLA
NEUZA BORGES - JANDIRA
NICETTE BRUNO - CODINA
DANDARA MARIANA - JANA
CENA 01. CASA DE IZADORA E AGENOR. INT. NOITE.
É noite, um carro preto está parado em frente a casa, assustando e deixando intrigados os moradores da pequena residência. Agenor da janela observa tudo.
CODINA - Iza, manda seu pai sair dessa janela.
AGENOR - Não antes de saber quem tá parado aqui. Já faz mais de meia hora…
IZADORA - A vó tem razão, pai. Não deve ser nada, com certeza é só mais um turista perdido.
DENTRO DO CARRO:
LARISSA - Meu Deus, logo agora que tô tão perto me falta a merda da coragem.
DENTRO DA CASA:
AGENOR - Quer saber… eu vou lá. Se tá parado aqui em frente alguma coisa tá querendo.
IZADORA - Toma cuidado.
AGENOR - Cadê minha espingarda?
CODINA - Aponta - Pega lá filha.
IZADORA - Trazendo o objeto - Pelo amor de Deus, não faz nenhuma besteira.
CODINA - Minha mãezinha D'água, protege meu filho daí de cima.
DO LADO DE FORA:
Agenor caminha até o carro, ao que ele se aproxima Larissa dá partida e sai depressa dali.
AGENOR - Desgraçado!
DO LADO DE DENTRO:
AGENOR - Vocês viram? Foi só eu sair para quem lá que seja picar o pé. Agora, para ter saído daquele jeito alguma tava aprontando.
IZADORA - Será que é alguém daqui?
AGENOR - Eu vou dar uma sondada pela cidade amanhã, mas vocês duas tomem cuidado de hoje em diante.
IZADORA - Saindo - Claro. Agora eu vou deitar. Boa noite.
CODINA - Eu vou também.
AGENOR - Espera.
CODINA - Que foi?
AGENOR - A senhora acha que pode ser ela?
CODINA - Falando baixo - Não, nem faz sentido. Filho, aquela lá deve tá bem longe daqui.
AGENOR - Mas quem quer que seja eu vou descobrir…

CENA 02. CASA DE PRAIA DE LARISSA. SALA. NOITE.
Larissa chega, Jandira vai ao seu encontro.
JANDIRA - E como foi?
LARISSA - Péssimo. Na hora eu travei, fiquei lá no carro esperando criar coragem ou sei lá o que mais, só sei que eu travei por completa.
JANDIRA - Fica calma, é assim mesmo. Você esperou tanto por isso, não é? Não pode desistir agora.
LARISSA - Não, isso não. Mas eu juro, se arrependimento matasse eu estava morta, tia. Eu não devia ter deixado o Brasil, não devia ter deixado minha menina pra trás.
JANDIRA - Me desculpe me intrometer, mas a você teve a chance de concertar tudo isso... o John iria entender.
LARISSA - Sim, tem razão, o John era um bom homem. A verdade é que eu adiei tanto isso, com medo de não ser aceita por ela, que, agora ficou tarde demais.
JANDIRA - Não diga isso, converse com ela. Peça perdão, vá com o coração aberto. Não adie isso mas uma vez, você sabe que quanto mas demora mais distante e difícil ficará uma reaproximação.
LARISSA - Obrigada, sei que posso contar com você.
AMANHECE
CENA 03. CASA DE AGENOR E IZADORA. EXT. DIA.
Batidas são dadas na porta. Agenor assustado com o que aconteceu na noite anterior vai abrir a porta com sua espingarda nas mãos.
JANA - Assustada - Seu Agenor?
AGENOR - Ah, é você? Entra.
JANA - O que aconteceu? Vocês foram assaltados?
AGENOR - Quase isso, é que você me assustou batendo na porta desse jeito.
IZADORA - Pai, guarda essa espingarda, tá assustando a Jana.
JANA - Amiga, o que aconteceu pra vocês ficarem assim?
IZADORA - É que ontem a noite ficou um carro parado aqui por quase 1 hora e, quando meu pai saiu pra ver o que tava acontecendo a pessoa simplesmente deu partida e saiu desenfreado e por isso que meu pai tá aí desconfiado com essa arma na mão.
JANA - Amiga, toma cuidado, você não vê o que tem de história de maníaco aí nesses jornais da capital?
IZADORA - Mas vamos mudar de assunto… Você veio aqui tão cedo, aconteceu alguma coisa?
JANA - Aconteceu. Lembra que você disse que tava procurando emprego?
IZADORA - Hurum.
JANA - Então... Eu tô indo em uma entrevista, aqui perto, em uma mansão, eles estão procurando gente pra limpar, servir, fazer jardinagem e tudo... O salário é bom, é melhor do que ganha uma doméstica o mês todo.
IZADORA - Por quanto tempo?
JANA - Duas semanas, só que tem que trabalhar todo o reveillon.
IZADORA - Todo bem, pagam quanto?
JANA - 3.000.
IZADORA - É hoje ?
JANA - Tem que ser agora.
IZADORA - Pera aí, vou só trocar de roupa e já volto!
CENA 04. CASA DE PRAIA DOS FERRAZ. EXT. DIA.
Iza e Jana entram, elas olham para todo o local.
IZADORA - Parece casa de novela...
O mordomo Mauro as vê e vai até o jardim.
MAURO - Deslumbradas?
JANA - É que a casa é muito bonita.
MAURO - Ah, é sim. Então meu amor, limpe-a como se fosse sua. Vamos, vou entrevistar vocês lá dentro.
DENTRO DA CASA:
Elas entregam seus currículos.
MAURO - Parece estar tudo certo, já entrevistei moças demais, e o currículo de vocês duas são bons. Então, considerem se empregadas. Antes, vou esclarecer alguns pontos.
IZADORA - Sim.
MAURO - Vocês deverão começar a partir de amanhã, o casal e toda a família chegam depois. Então vocês só tem amanhã pra deixar aqui no jeito, entendido?
JANA - Pode deixar.
MAURO - Cheguem cedo, amanhã explico tudo melhor. Por hoje é só.
Rio de Janeiro
CENA 05. APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ. INTERIOR. DIA. 
Martha liga para Larissa
MARTHA - Lari querida, saudades.
LARISSA - Também querida, como vai?
MARTHA - Eu estou ótima, escuta,  a Bárbara me disse que você tá em Angra…
LARISSA - Eu tô sim, vim resolver alguns problemas.
MARTHA - E vai passar o reveillon aí?
LARISSA - Vou, vai ter uma festa aqui da Marília Santana.
MARTHA - Esquece. Faço questão de que você passe a virada na minha casa, nós todos também vamos passar ai cherry.
LARISSA - Já que você faz questão, eu vou. Aproveitamos e colocamos o papo em dia.
MARTHA - Sim, sim. Vai ser ótimo, então te encontro lá hein… deixa eu desligar que tô aqui na correria menina, organizando tudo, sabe como é fim de ano, né...
Ela vê uma mensagem de Jorge aparecer em suas notificações.
JORGE - Preciso falar com você!
MARTHA - Inferno.
Ao que ela se estressa com a mensagem de seu amante, seu marido chega.
GILBERTO - O que foi? Algum problema?
MARTHA - Essa coisa de organizar festa me deixa louca.
GILBERTO - Amor, você podia ter deixado isso na mão de algum buffet.
MARTHA - Ah Gilberto, você sabe que eu faço questão de eu mesma organizar minhas festas, eu tenho que estar ali, olhando, vendo o que fazem.
GILBERTO - Essa sua mania de ser perfeccionista. Mas relaxa, vai dar tudo certo.
MARTHA - Vai dar sim - sorri - Agora eu tenho que dar uma saidinha, fiquei de ver uns tecidos para as mesas. Dentro de 1 ou 2 horas eu tô de volta.
CENA 06. MOTEL. INTERIOR. SUITE. DIA.
MARTHA - O que você quer?
JORGE - Além de transar com você? Ah.. o que eu quero você sabe...
MARTHA - De novo essa história?
JORGE - Eu quero acabar com essa mentira, você não diz que me ama?
MARTHA - claro.
JORGE - Então? Qual é o problema de assumir isso pro mundo todo, meu Deus?...
MARTHA - Você sabe muito bem qual é o problema. Meu casamento, meus filhos.
JORGE - Eu já disse que se você não fazer isso, eu mesmo faço. Eu só acho que ficaria melhor e mas bonito se você contasse tudo do seu jeito, com suas palavras. Amor, eu não sou muito bom em revelar segredos.
MARTHA - Isso é chantagem!
JORGE - Chantagem, obsessão... Chame como quiser, todas essas palavras são verdadeiras.
MARTHA - Eu não quero que o Bruno saiba.
JORGE - fica tranquila, se você contar tudo eu não conto nada para ele. Assim, o Gilberto irá continuar achando que tem um filho homem.
MARTHA - Tá, eu vou contar sobre nós, só espere o ano virar. E... sobre o Bruno, não abre essa boca, ou então ele perde a parte na herança.
JORGE - Você só precisa me obedecer.
Ela revira os olhos.
JORGE - Vem! - ele puxa ela para cama.
2 DIAS DEPOIS
Angra
CENA 07. CASA DE PRAIA DOS FERRAZ. INTERIOR. DIA.
A família chega.
MAURO - Madame, está tudo como a senhora pediu.
MARTHA - Ótimo, agora suba as malas.
ESTELLA - Vou subir pro quarto, tô morrendo.
MARTHA - Eu também, filha.
CENA 08. QUARTO DE MARTHA. INTERIOR. DIA.
MAURO - E o Bruno, madame?
MARTHA - Tá vindo de Londres, deve chegar entre hoje ou amanhã. O quarto dele, tá pronto?
MAURO - Sim.
MARTHA - Eu vou descansar um pouco, desço depois quando servirem o  jantar.
ANOITECE
CENA 09. CASA DE PRAIA DOS FERRAZ. INTERIOR. SALA DE JANTAR. NOITE.
Todos à mesa jantam, à porta Bruno chega.
IZADORA - O senhor...?
BRUNO - Sou eu, o filho da dona Martha.
Mauro aparece
MAURO - Pode sair menina. Venha, sua mãe tá esperando.
Eles saem, ele sorri ao ver que Iza o olha do corredor.
MAURO - Senhora, olha quem chegou!
MARTHA - Se levantando - Meu amor!
Eles se abraçam.
AMANHECE
CENA 10. CASA DOS FERRAZ. INTERIOR. SALA. DIA.
Alguém toca a companhia.
MAURO - Dona Larissa?
LARISSA - Bom dia Mauro. A Martha está?
MAURO - Claro, vem comigo. Dona Martha, sua amiga está aqui.
Ela entra.
MARTHA - Larissinha. Vem, vamos conversar. Mauro, mande servir um suco.
MAURO - É claro senhora.
Izadora chega com o suco.
MARTHA - Ah, finalmente os refrescos!
Larissa fica perplexa ao ver sua filha em sua frente. Ao que Iza lhe serve o suco ela derruba o copo no chão o deixando em pedaços.


ILUSÃO

CAPÍTULO 02.


CENA 01. CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ. INT. SALA DE VISITAS. DIA.
Larissa fica em choque e deixa cair o copo, que fica em estilhaços no chão.
LARISSA - Que desastre! Me perdoe Martha.
MARTHA - Não tem problema, a... - tenta puxar pela memória - a menina limpa tudo.
IZADORA - Sim, um instante.
LARISSA - Eu tô tão distraída Martha.
MARTHA - Fica calma. Mas vem cá, essa distração por acaso é do sexo masculino?
LARISSA - Ela ri - Não Martha, quem dera...
MARTHA - O que é?
LARISSA - É minha vida, depois que perdi o Jhon, fiquei assim, boba...
MARTHA - Vai passar, não fica assim...
LARISSA - Bom... Martha, já vou indo.
MARTHA - Já? Amiga, se for pelo que aconteceu fica tranquila, devo ter uns 300 copos iguais aquele.
LARISSA - Eu só estava de passagem, tenho alguns compromissos aqui na cidade e não posso me atrasar.
MARTHA - É claro.
Elas se beijam.
MARTHA - Não se esqueça da nossa noite da virada.
LARISSA - Pode deixar.
Izadora chega com o material de limpeza.
IZADORA - É Izadora.
MARTHA - O que?
IZADORA - Meu nome.
MARTHA - Olhando de cima a baixo para a moça - Vê se aprende a servir um copo, não quero que se repita na minha festa.  

CENA 02. CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ. QUARTO DE MARTHA E GILBERTO. INTERIOR. DIA.
GILBERTO - Quem estava aqui?
MARTHA - A Larissa, veio a negócios.
GILBERTO - Mas já foi?
MARTHA - Já, derramou um suco e saiu sem graça. Ah, convidei ela para nossa noite.
GILBERTO - Querida, por falar nisso... chamei o Jorge para passar conosco.
MARTHA - Esbraveja - Gilberto...
GILBERTO - Ele é meu braço direito na empresa.
MARTHA - Você já chamou, né, fazer o que. Só me prometa que vai mantê-lo beeeeem longe de mim.
GILBERTO - Como você quiser, benzinho.
MARTHA - Não me chama assim, que coisa cafona.
GILBERTO - Vamos descer?
MARTHA - Vai indo, já desço.
Ele sai, Mauro que está no corredor entra.
MARTHA - Escutando atrás da porta?
MAURO - Você sabe que tenho esse terrível hábito.
MARTHA - Então, o que acha?
MAURO - Sobre o que?
MARTHA - Não se faça.
Escondido ele liga o gravador do celular e põe no bolso.
MAURO - Acho que ele não vai ser tão idiota a ponto de jogar tudo no ventilador.
MARTHA - Mas vai ficar me pressionando, ameaçando revelar nosso caso.
MAURO - Cá entre nós que você sempre se safou muito bem dessas ameaças.
MARTHA - Mas é cansativo, enche meu saco.
MAURO - Vai levando.
MARTHA - É o jeito. Mas até quando?
MAURO - Até surgir a oportunidade perfeita de acabar com tudo isso. Ou vai querer continuar sendo ameaçada?
MARTHA - Claro que não. Quando essa palhaçada acabar e voltarmos pro Rio, vou dar um jeito nesse gigolô.
MAURO - Ri - Agora vá, desça e tome seu desjejum. 
Ao que ela sai, ele desliga o gravador e manda o arquivo para a nuvem.
MAURO - Mordendo os lábios - Precauções...
CENA 03. CASA DE PRAIA DE LARISSA. INTERIOR. SALA. DIA.
Larissa chega, ela avista Jandira, que está tomando o café da manhã.
JANDIRA - Ué, já voltou?
LARISSA - Já tia.
JANDIRA - Pensei que ia tomar café da manhã lá, com sua amiga.
LARISSA - Que nada, se a senhora soubesse o que aconteceu.
JANDIRA - Então senta aqui e me conta.
LARISSA - Cortando uma fatia de bolo - A Izadora tá lá, trabalhando na casa da Martha.
JANDIRA - Lá? Meu Deus, como esse mundo é pequeno. Falou com ela?
LARISSA - É justamente esse o ponto.
JANDIRA - O que? Você não me falou com essa menina ainda? Minha filha, as oportunidades vêm e vão e você não aproveita?!
LARISSA - Pois é, quando eu cheguei lá a Martha mandou servir um suco.
JANDIRA - Adivinhando - E foi ela quem trouxe...
LARISSA - Na hora eu gelei, derrubei o copo todo no chão.
JANDIRA - Eu sei que é difícil minha filha, mas pensa bem: Você veio aqui pra recuperar o amor de sua filha, pra pedir perdão. Não pode perder mais tempo.
LARISSA - Tem razão.
JANDIRA - Não deixa o tempo levar ela pra mais longe.
CENA 04. CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ. INTERIOR. QUARTO DE BRUNO. DIA.
Izadora leva o café da manhã no quarto de Bruno. Ao que ela bate na porta ele abre ainda sonolento.
IZADORA - Trouxe seu café.
BRUNO - O que? Não, não precisa.
IZADORA - Sua mãe mandou trazer, tá tarde e já tiraram a mesa do café.
Ah, tô meio confuso com o fuso, sempre quando chego é assim.
IZADORA - Olhando para a cama - Posso colocar a bandeja?
BRUNO - Abrindo caminho - Ah sim, claro. Mas pode deixar que isso não vai ser repetir, não sou de acordar tarde.
IZADORA - É férias também, né? E não tenho nada a ver com sua vida. Bom, o que eu quero dizer é que o senhor não tem que ficar me dando satisfação.
BRUNO - O senhor tá no céu. Me chama de Bruno.
IZADORA - Tá bem, Bruno.
BRUNO - Qual o seu nome?
IZADORA - Izadora, mas se quiser me chama só de Iza.
BRUNO -  Prazer, Iza. O que você faz da vida?
IZADORA - Trabalho aqui.
BRUNO - Não, eu quis dizer o que você estuda.
IZADORA - Eu não estudo nada não.
BRUNO - Pensei que fosse universitária.
IZADORA - Quem me dera.
BRUNO - Quem me dera porque?
IZADORA - Eu larguei a escola, precisa ajudar em casa.
BRUNO - Imagino, deve ser difícil.
IZADORA - E como.
BRUNO - Mas não tem, sei lá... EJA, alguma coisa?
IZADORA - Tem sim, mas é que eu fico com vergonha.
BRUNO - Vergonha de que? A educação é para todos, um dever do estado. Vergonha é uma moça linda como você sem perspectiva de futuro.
IZADORA - O senhor... - Corrige - Você tem razão.
BRUNO - Não desista. Promete?
IZADORA - Sorri - Tá.
CENA 05. CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ. INTERIOR. COZINHA. DIA.
JANA - Levou o café?
IZADORA - Levei.
JANA - E como é que ele é?
IZADORA - Ué, você já não o viu?
JANA - Tô falando de perto..
IZADORA - É igual de longe.
JANA - Rindo - Deixa de ser chata.
IZADORA - Você quer o que Jana? Que eu fale que ele é lindo?
JANA - E não é?
IZADORA - Se você sabe, porque tá perguntando? Ele é muito educado, só isso.
JANA - Pelo menos um dessa família tem que ser, né?
CENA 06. CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ. INTERIOR. SALA. DIA.
Bruno desce para a sala.
GILBERTO - E essa câmera filho?
BRUNO - Estou saindo pra tirar umas fotos aqui da cidade.
GILBERTO - Novo hobby?
BRUNO - É uma coisa nova que eu estou tentando.
GILBERTO - É claro.
BRUNO -  Por falar nisso, junta vocês dois aí. Vamos fazer uma foto de família.
GILBERTO - Foto agora?
BRUNO - Que isso, parece tá com vergonha na câmera agora.
MARTHA - Vai Gilberto, deixa de ser careta.
Eles se juntam e o Bruno tira algumas  fotos.
CENA 07. CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ. INTERIOR. QUARTO DE ESTELLA. DIA.
Estela liga para Raul.
RAUL - Quem é?
ESTELLA - Deu para esquecer de mim agora?
RAUL - Por que que você tá me ligando essa hora Estella? Tem noção de que horas é aqui em Londres?
ESTELLA -  E você tem noção da falta que você faz na vida de seu filho?
RAUL - Eu e o Thiago nos falamos todos os dias, meu bem, essa desculpa não vai colar.
ESTELLA -  Não me chama de meu bem, seu safado. Não sou essas cachorras que você pega em cada esquina.
RAUL - Era só isso Estella?
ESTELLA -  Por enquanto, boa noite.
Thiago entra.
THIAGO - Me usando de novo como desculpa para falar com o papai?
ESTELLA - Então você e seu pai estão de conversinha? E você nem me fala nada, que filho é você, hein...
THIAGO - É super normal um filho e um pai conversarem coisas entre eles. Você quer o quê? Que nós conversemos na sua frente? Olha aqui, mamãe, supera meu pai… ele não quer você e eu acho que você deveria se dar valor ao invés de correr atrás de um homem que não te quer.
ESTELLA - Meu próprio filho?!
THIAGO - Tá, tá bom, boa noite mãe.
CENA 08. CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ. EXTERIOR. DIA.
Bruno saindo com a câmera na mão, ele à vista Isadora regando as plantas.
BRUNO - Isadora.
IZADORA - Ah, oi.
BRUNO - Você aceitaria tirar uma foto?
IZADORA - Como assim?
BRUNO - Não, não se preocupe, eu só estou tirando umas fotos e
queria saber se você poderia tirar uma.
IZADORA - Melhor não, isso pode ser mal entendido.
BRUNO - Só uma, olha, não vou publicar essa foto, é só um hobby meu, só tô treinando. Vai, por favor!
IZADORA - Tá bom, mas só rapidinho.
BRUNO - Sorrindo - Vai ali perto desse canteiro de flores.
IZADORA - Tá bom?
Ele tira a foto.
BRUNO - Ficou linda.
IZADORA - Deixa eu ver?
Ele mostra.
IZADORA - Ficou muito bonita mesmo.
BRUNO - Assim que eu revelar, te dou uma.
IZADORA -  Ainda se revela fotos?
BRUNO - Eu gosto de tocar no que vejo.
IZADORA -  Tá bom então, eu aceito, aproveito e atualizo minhas redes sociais.
BRUNO - Obrigado, você é muito linda.
IZADORA - Chateada - O senhor não precisa ficar repetindo toda hora que eu sou linda.
BRUNO - Não, não é o que parece.
IZADORA -  É melhor parar por aqui, antes que seja. Eu já vi esse filme. Não sou dessas

BRUNO - Não, você me entendeu mal, não é nada disso…


ILUSÃO
CAPÍTULO 03

CENA 01 / CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ / EXT/ DIA.
IZADORA - Bruno - corrige - Senhor.
Ao que Iza volta a chamá-lo de senhor ele percebe a chateação da moça com o que houve.
BRUNO - Eu já disse, pode me chamar de Bruno.
IZADORA - Vou te chamar de senhor, porque é isso que você é e vai continuar sendo. Eu não quero ter intimidade com você, aliás, nem deveríamos estar tendo. Enfim... Às coisas entre nós estão passando dos limites, eu vim aqui para trabalhar durante a virada e quero concluir meu trabalho - enfática - em paz, se o senhor me deixar.
Izadora parece decidida a dar um basta naquela situação.
BRUNO - Tudo bem, se você assim quer. Mas, eu só estava sendo gentil com você. Só que parece que as pessoas já não acreditam nas intenções.
Ele sai. Izadora fica sozinha no jardim, ela se arrepende da forma que disse aquilo tudo. Porém dentro de si sabe que existe uma atração por Bruno e que talvez seja melhor evitar.
Um dia depois.

CENA 02 / CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / SALA / DIA.
Jorge chega a casa de praia.
GILBERTO - Mas que surpresa! Como vai meu caro?
JORGE - Vou ótimo. E você Martha?
MARTHA - Ótima também.
GILBERTO - Bom, o Mauro vai te levar ao quarto de hóspedes.
JORGE - Antes que eu me esqueça, obrigado pelo convite.
MARTHA - Eu vou subir junto.
CENA 30 / QUARTO DE HÓSPEDES.
No quarto Mauro, Jorge e Martha ficam no mesmo ambiente.
JORGE - Agora que estamos entre amigos - ri - me diga meu amor, é hoje que você vai revelar nosso casinho?
Mauro aproveita e liga seu gravador.
MARTHA - Eu já disse que após o ano virar.
JORGE - Então assim que o relógio virar e os fogos explodirem no céu o mundo saberá o nosso pequeno segredo?
Martha ri da petulância de seu amante.
MARTHA - Assim que retornarmos ao Rio e eu preparar o terreno, aí sim o mundo saberá.
JORGE - Mas aí não vai ter muita graça, não é mesmo Mauro? - O mordomo se cala - Porque não aproveita a festa e faz o anúncio?
As exigências de Jorge irritam Martha. Ela já não ama seu amante como antes, só continua com ele porque além de ser bom de cama, ele sabe de mais.
MARTHA - Você já esperou tanto. VAI ESPERAR MAIS.
JORGE - Calma, não precisa gritar. Agora dispensa seu pinguim e fica aqui comigo, vai.
MARTHA - Olhando para o mordomo - Mauro.
Ele sai.
JORGE - Vem, eu sei que você gosta - dá um tapa na bunda dela.
CENA 04 / CASA DE PRAIA DE LARISSA / INT / SALA / DIA.
LARISSA - Eu estive pensando, tia. Vou hoje a noite falar com o Agenor.
JANDIRA - E a festa?
LARISSA - Não, que festa o que... Vim aqui pra reencontrar minha filha. E sei que ela vai trabalhar na festa, aproveito e vou falar com o pai dela.
JANDIRA - Será que ele vai querer receber você?
LARISSA - Eu preciso tentar, com ele me ajudando a preparar terreno vai ficar mas fácil conversar com ela.
Então vai.
LARISSA - A senhora não se incomoda de passar sozinha?
JANDIRA - Não, imagina... Eu vou é dormir, já vi muito reveillon na minha vida.
Anoitece.
CENA 05 / CASA DE AGENOR / EXT / NOITE.
Larissa chega a casa de seu antigo marido. Tudo no local ficou intacto, o que mexe com o coração dela, trazendo uma leve nostalgia junto ao arrependimento de um vida que não viveu.
Ao que ela se aproxima se depara com Codina no quintal.
CODINA - Surpresa ao ver Larissa, ela deixa cair a roupa que recolhe no varal - Você?
LARISSA - Dona Codina…
CODINA - O que você quer aqui?
LARISSA - Quero falar com o Agenor.
Mesmo sabendo que o filho não gostará da visita, ela abre a porta para que ela ente.
CODINA - Seja lá o que for que você queira eu não vou impedir, você tem muito o que se desculpar com ele.
Do lado de dentro.
AGENOR - Surpreso - O que essa mulher tá fazendo aqui?
CODINA - Vocês precisam conversar.
LARISSA - Eu sei que eu errei, eu sei… E isso me dói muito. Eu vim porque eu não posso mas conviver com esses arrependimento dentro de mim.
AGENOR - 20 anos... Foram 20 anos.
LARISSA - Eu era tola demais. Hoje percebo o que fiz.
AGENOR - Eu prometi pra mim mesmo que nunca iria deixar você chegar perto dela de novo. Ela cresceu acreditando que você morreu.
LARISSA - Como você pode? Sei que fui canalha, mas dizer que eu morri?
AGENOR - Foi o melhor jeito, pra ela é muito melhor ter uma mãe morta que uma mãe que nunca a amou.
LARISSA - Eu custei a amadurecer, mas hoje eu entendo. Ainda posso compensar tudo, ser a mãe que ela merece.
AGENOR - É um pouco tarde pra isso.
LARISSA - Por favor!
AGENOR - Por favor, digo eu. Vá embora, nós não precisamos e não queremos você em nossas vidas. Estivemos muito bem durante todos esses anos e vamos continuar. No que depender de mim ela nunca vai saber que você está viva e se você disser alguma coisa a ela, eu juro que vou até o inferno atrás de você.
CODINA - Agenor…
AGENOR - Pega ela pelos braços e leva até a porta - Suma daqui, da próxima vez que ficar rondando minha casa de noite eu juro que atiro pra matar.
CODINA - Codina vai atrás dela e a para - Eu acredito no que você disse, é a mãe dela e isso ninguém pode mudar. Só peço que tenha paciência, eu vou falar com ele.
Larissa vai embora dali chateada por ter tudo dado errado, mas confia na promessa que Codina lhe fez.
Algumas horas depois.
CENA 06 / CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ / EXT / JARDIM / NOITE.
Faltam poucas horas para a virada do ano. Convidados e familiares se divertem na festa.
MARTHA - Mauro, viu a Larissa?
MAURO - Nada, nem apareceu.
MARTHA - Bom, talvez ela não venha. Estranho ela se abalar tanto por causa de um copo… Por falar nisso, fica de olho nos serviçais.
CENA 07 / CASA DE PRAI DA FAMILIA FERRAZ / EXT / PISCINA / NOITE.
À beira da piscina Estella enche a cara com bebidas. Thiago se preocupa e ao que ver sua avó fala com ela.
THIAGO - Vó, olha lá - Aponta - a mamãe dando o maior vexame.
MARTHA - Deixa comigo.
Ela puxa Estella pelo braço.
MARTHA - Será que dá para parar de me fazer passar vergonha?
Estella conversa gritando, o que deixa Martha ainda mais irritada.
ESTELLA - Então a dona Martha Ferraz não gosta de me ver feliz é isso?
MARTHA - Mauro, pega essa coisa e joga debaixo de uma água bem gelada.
Ele pega ela pelo braço, que reluta.
ESTELLA - Eu não sou coisa não, sou sua filha.
CENA 07 / CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ / INTERIOR / COZINHA / NOITE.
Bruno vai até a cozinha para se desculpar com Iza.
IZADORA - Tá bom, desculpas aceitas.
BRUNO - Sabe, você tinha mesmo razão.
IZADORA - Razão?
BRUNO - Sobre eu estar apaixonado por você.
IZADORA - De novo essa história?
BRUNO - Eu posso provar.
IZADORA - Como?
BRUNO - Vem comigo!
Ele a puxa pelo braço até o Jardim.
BRUNO - Senhores um minuto da suas atenções por favor!
Todos os olhares se viraram para eles.
BRUNO - Eu queria pedir a mão dessa linda moça em namoro.

MARTHA - Que porra é essa?


ILUSÃO

CAPÍTULO 04


CENA 01 / CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ / EXT / NOITE.
BRUNO - Então, aceita?
Izadora fica sem saber o que dizer, todos os olhares da festa se voltam para ela o que a deixa constrangida.
MARTHA - Bruno, que brincadeira sem graça é essa? Não tá vendo que a moça tá constrangida?
BRUNO - Não, não é brincadeira nenhuma. Durante esses dias e eu e a Izadora ficamos próximos e surgiu um clima entre nós - olha para ela - não é?
IZADORA - Pra que tudo isto? Sim, rolou um clima, mas a gente não se conhece tanto assim.
BRUNO - Então permita-me te conhecer melhor.
MARTHA - Chega dessa palhaçada! Namorar a empregada?
Ao que Martha a destrata Izadora revida.
IZADORA - Eu aceito!
BRUNO - Feliz - Não vai se arrepender.
Eles se beijam.
Martha olha para ele furiosa. Mauro a acalma.
MAURO - Fica calma, isso daí não dura a próxima semana.

CENA 02 / CASA DE PRAIA DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / COZINHA / NOITE.
IZADORA -  Agora que é pra valer você precisa conhecer meu pai. Sua mãe já conheço.
BRUNO - Que tal agora?
IZADORA -  Mas antes eu queria falar um negócio com você.
BRUNO - Hum.
IZADORA -  Eu posso não te conhecer tão bem assim, mas você me encoraja e me entende e sem contar que eu amo o jeito que você me olha. E isso é bom, eu gosto disso. Eu espero de verdade que possamos ser felizes.
BRUNO - Eu te prometo que sim.
IZADORA -  Então? Vamos?
CENA 03 / CASA DE AGENOR / INT / SALA / NOITE.
CODINA - Filho, fala com a Larissa. A Iza tem o direito de saber que a mãe tá aqui.
AGENOR - Olha o que ela fez?
CODINA -  A sua filha tem esse direito, você não pode impedi-la de conhecer a própria história. Eu nunca faria isso com você.
AGENOR - Eu preciso pensar em tudo isso.
1 mês depois. Rio de janeiro.
CENA 04 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / DIA
A família de Martha retorna de Angra, assim como a vida que retorna ao normal.
BRUNO - Mãe, eu queria trazer a Iza pra conhecer o Rio e eu pensei que talvez você podia fazer um jantar aqui pra ela.
MARTHA - Era só o que me faltava...
BRUNO - Mãe, por favor. Eu gosto dela.
MARTHA - Tá, tá bom. Traga a infeliz.
BRUNO - E eu gostaria muito que a senhora a tratasse bem.
ESTELLA - A mamãe vai comer ela viva - ri.
MARTHA - Se você continuar rindo feito uma cavala na minha mesa, quem eu vou comer viva é você. Ah, e por falar nisso hoje vem uma psicóloga falar com você.
ESTELLA - Psicóloga? Eu não sou louca.
MARTHA - Pior, é alcoólatra.
ESTELLA -  Ela vem as três. Se chama Margot. vai te ajudar a ter um pouco mais de equilíbrio.
THIAGO - Bom, eu vou indo.
ESTELLA - Beijo meu amor.
GILBERTO - Eu também tô de saída.
MARTHA - Vai lá.
Na casa ficam só Martha, Estella e Bruno.
ESTELLA - Enfim sós.
MARTHA - Eu hein… Não.
ESTELLA - Definitivamente não.
CEMA 05 / COLÉGIO OPÇÃO / EXT / DIA.
É volta às aulas, Thiago chega à escola e ao que vê Manu vai correndo abraça-la.
MANU - Saudades.
THIAGO - Também, amore.
MANU - E aí? Me conta tudo.
THIAGO - Tudo o que?
MANU - As novidades, ué.
THIAGO - Não tenho novidade nenhuma, minhas férias foram um flop.
MANU - Já eu tenho várias, vamos indo pra sala que eu te conto.
THIAGO - Vamos rápido pra pegar lugar bom.
Do lado de dentro.
THIAGO - Amo, finalmente vamos sentar perto da janela.
MANU - E o melhor, virados pra quadra.
THIAGO - Não sei qual é a vantagem disso.
MANU - Como não? Ver os meninos suados jogando futebol.
THIAGO - Eca garota, como você é gore.
MANU - Vou te processar se me chamar disso de novo - risos - Mas vai dizer que você não queria ver um menino em específico? Hum...
THIAGO - Eu hein, não tem ninguém decente nessa escola.
MANU - Nem o aluno novo?
THIAGO - Aluno novo?
MANU - Ali atrás - aponta.
Thiago fica de boca aberta quando vê Jean.
MANU - Vai acabar babando.
THIAGO - Para com isso garota.
MANU - Ele é um gato, ah, melhor ainda, é gay.
THIAGO - Gay?
MANU - Claro, dei uma stalkeada nas redes sociais dele. Olha - ela mostra - curte páginas lgbts.
THIAGO - Deve ser só simpatizante.
MANU - Escuta Madonna.
THIAGO - Só gay que pode ouvir a rainha? Olha desculpa, mas isso não quer dizer nada.
MANU - Quer sim. Já sei, vou dar um jeito de vocês conversarem.
THIAGO - Não vai não. Eu hein... Não tô afim de pagar mico.
MANU - Confia em mim, nego.
CENA 06 / CASA DE AGENOR E IZADORA / INT / SALA / DIA.
IZADORA - Pai, eu resolvi voltar a estudar.
AGENOR - Influência do Bruno?
IZADORA -  Sorri - É sim.
AGENOR - Eu fico feliz que esse rapaz tá te fazendo bem.
IZADORA -  Eu também, tô feliz com o rumo do nosso namoro. Eu vou me matricular, agorinha mesmo.
AGENOR - Faz isso, você precisa pensar no seu futuro.
Ela sai.
AGENOR - Mãe? A senhora sabe se aquela lá ainda tá na cidade?


ILUSÃO
CAPÍTULO 05

CENA 01 / CASA DE PRAIA DE LARISSA / INT / SALA / DIA.
Após o período de veraneio se encerrar, a cidade fica praticamente vazia. Jandira e Larissa decidem ficar, a decisão de sua sobrinha intriga Jandira.
JANDIRA - Até quando vamos ficar?
LARISSA - Sei que disse que seria por pouco tempo, mas ainda tenho esperanças de me acertar com minha filha. A dona Codina prometeu que irá interceder por mim.
JANDIRA - Não se preocupe, eu só perguntei por perguntar. Fico o tempo que precisar. Sei o quanto isso é importante pra você.
CENA 02 / CASA  DE AGENOR E IZADORA / INT / SALA / DIA.
CODINA - Ela ainda está aqui. Disse que tem esperanças de que você mude de ideia. E eu disse a ela que iria conversar com você.
AGENOR - Espero não me arrepender. Mas, Sabe? Depois de tudo o que a senhora falou, eu refleti bem e percebi que eu estava errado. Não posso esconder isso da menina.
CODINA - Procura ela. Vai ser melhor.
AGENOR - Sim, só preciso preparar o terreno, não vai ser fácil explicar isso pra Iza.
CENA 03 / COLÉGIO OPÇÃO / INT / QUADRA / DIA.
Durante a aula de Educação física, Manu e Thiago ficam sentados na arquibancada.
THIAGO - Se tem uma coisa da qual eu não sentia a menor falta na escola, essa coisa se chama Educação física.
MANU - E justo no primeiro dia de aula já tem essa tortura…
THIAGO - Pois é…
O professor chama a atenção dos dois.
PROFESSOR - Caminhando até eles - Educação física é uma aula como outra qualquer, sabiam? O que aconteceria se vocês se recusassem a participar de uma aula de matemática ou português?
THIAGO - Reprovarìamos.
PROFESSOR - O mesmo irá acontecer se vocês se recusarem a participar da minha aula. Então, vamos? Levantando.
Apesar de estarem irritados por serem obrigados a participar daquela tortura, vão caminhando até o centro da quadra, onde o professor manda que dois alunos montem um time de bola queimada.
Um dos alunos escolhidos é Jean, o outro, Carlos.
A escolha começa, Manu é rapidamente escolhida, não como primeira, porque ela não é tão boa assim, mas também não é tão ruim quanto Thiago.
PROFESSOR - O Thiago que sobrou vai no time do Jean.
Ele apita e dá início a partida. O jogo ocorre normalmente, até inventam de passar a bola para Thiago, que sem reação a recebe num impulso e ao correr vai de cara para o chão.
PROFESSOR - Ajudem aqui, levem ele para a enfermagem.
Jean é designado para a função, já que ficou como capitão do time.
MANU - Eu vou também.

CENA 04 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / SALA / DIA.
Margot chega ao apartamento, Estella a recebe.
MARGOT - Você deve ser a paciente. Prazer, meu nome é Margot.
ESTELLA - Olha, eu sei que minha mãe te contratou, mas eu não preciso.
MARGOT - Calma, eu sei que no início é difícil.
ESTELLA - Não, você não entendeu, eu não quero psicóloga nenhuma me analisando. Não tô louca.
MARGOT - Psicólogo não é só para quem tem algum problema psicológico ou mental, essa ideia é até ultrapassada. Hoje em dia a psicologia é algo fundamental na vida humana. Vamos fazer assim, você faz uma sessão, se não gostar eu não venho mais. O que acha?
ESTELLA - Tá bem, vamos lá.
MARGOT - Tem algum lugar onde poderíamos falar a sós?
ESTELLA - Vamos ao meu quarto.
No quarto.
MARGOT - O que conversaremos nesta sessão ficará apenas entre mim e você, quero que saiba disso.
ESTELLA - É claro.
MARGOT - Sua mãe ao telefone me adiantou seu problema alcoólico. Olha, não vou te julgar pelo que ela diz, eu prefiro saber de você... Tem algum problema que te afeta no momento?
ESTELLA - Como assim?
MARGOT - Algo que você percebe que acaba influenciando sua vida e a maneira como você convive com as pessoas…
Ela conta sobre seu divórcio, sua infância e a convivência com sua mãe e seu filho. Margot percebe nela um comportamento possessivo.
MARGOT - A raiz do seu problema está na sua convivência com sua mãe.
ESTELLA - Como assim? Minha mãe é meu problema?
MARGOT - Pelo que você me relatou de sua infância, percebi que se sente rejeitada, e que na expectativa de conquistar alguma atenção de sua mãe, tenta repetir o comportamento impulsivo dela, mas de uma forma totalmente equivocada.
ESTELLA - Irritada - Você é maluca!
MARGOT - Você sabe que não estou dizendo nenhuma mentira.
ESTELLA - Chega, será que poderia mudar de assunto?
MARGOT - Tá, voltaremos depois  a esse assunto. Agora, sobre seu filho… Você me disse pouco sobre seu filho.
Ela fala sobre Thiago.
MARGOT - Tente ouvi-lo mais, dar espaço para ele falar sobre si. Por hoje é só.
ESTELLA - Está bem.
MARGOT - Se quiser que eu volte, já sabe. Você tem muitas questões, não desperdice essa chance de resolvê-las. Só pensa nisso, tá bom?
ESTELLA - Tá bem.
CENA 05 / COLÉGIO OPÇÃO / INT / ENFERMAGEM / CORREDOR / DIA.
Manu, Jean é Thiago aguardam serem atendidos.
THIAGO - É por isso que eu odeio educação física.
JEAN - Eu sei como é, meu ex namorado também odiava… Mas  não é bem assim, faz bem pra saúde.
MANU - Peraí, Você é gay?
JEAN - Sou. Porque a surpresa?
MANU - Não. Imagina, surpresa nenhuma. É que o Thiago também é.
THIAGO -  Esbraveja - Manuela!
MANU - Desculpa migo.
JEAN - Olhando para Thiago - Não é assumido?
THIAGO -  Ainda não.
JEAN - Relaxa, sei como é difícil ser gay na escola. - Coloca as mãos na ombro dele, em sinal de apoio - Pode contar comigo, se precisar.
CENA 06 / CASA DE PRAIA DE LARISSA / INT / SALA / DIA.
Agenor bate a porta.
LARISSA - Você?
AGENOR - Vim falar com você.
LARISSA - Entra.
AGENOR - Não, o que eu tenho pra falar é rápido.
LARISSA - Tá bom.
AGENOR - Eu vou contar pra ela.
Larissa fica contente.
LARISSA - Ah, meus Deus… obrigada, Agenor.
AGENOR - Só espere eu preparar o terreno, mas prometo que logo ela saberá.
LARISSA - Sim, Sim, é claro. Eu não sei nem como te agradecer. 
AGENOR - Não precisa. Bom, era só isso.
Anoitece.
CENA 07 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT/ SALA / NOITE.
O telefone toca. Mauro atende.
JORGE - Avisa pra ela me encontrar, agora, no lugar de sempre.
Desliga.
Mauro vai até Martha.
MAURO - Ele tá te esperando, agora, naquela motel.
MARTHA - A essa hora?
MAURO - Vá rápido, antes que esse louco resolve aparecer aqui.
CENA 08 / MOTEL / INT / QUARTO / NOITE.
MARTHA - Sem noção, como você me liga em casa essa hora? Meu marido poderia ter atendido.
JORGE - Pega no braço dela - Foda-se. Eu tô de saco cheio da sua enrolação. Ou você me assume, ou eu vou agora mesmo lá contar toda a verdade a ele.
MARTHA - Eu vou te assumir.
JORGE - Ah é? Quando? Na páscoa, ou no próximo Natal?
MARTHA - Assim que eu consegui alguma grana do trouxa do Gilberto. Tá pensando o que? Eu não vou abandonar um casamento de 30 anos sem levar algum. E você vai tratar de esperar.
JORGE - Não sei se tô com vontade.
MARTHA - Eu não tô com vontade de largar aquele idiota pra passar fome com você.
JORGE - Você sabe que eu te amo, e nunca deixaria te faltar nada.
MARTHA - Como dizia minha avó, amor não enche barriga. Eu preciso tirar alguma grana do Gilberto, você não acha que eu mereço? Não acha que é o mínimo depois de aguentar aquele homem que não dá no couro por 30 anos?
JORGE - Eu tenho pressa Martha, pressa.
MARTHA - Fica calmo, prometo que não vai demorar. Você confia em mim, não é?
JORGE - Confio.
MARTHA - Então… e se você quisesse já teria me entregado. Vai ser muito mais produtivo para nós se eu sair de lá e ainda levar alguns milhões, não acha?
Jorge cai na conversa de Matha.
CENA 09 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / QUARTO DE MARTHA / NOITE.
MAURO - Como foi com o gigolô?
MARTHA - Aquele idiota me veio com um papo meloso, mais dei um jeito de o enganar. Ele acha mesmo que o amo - risos.
MAURO - Mas é muito ingênuo.
MARTHA - O Bruno já convidou a família da indigente para o jantar aqui?
MAURO - Já, e ouvi ele planejando pedi-la em noivado.
MARTHA - Ótimo.
MAURO - Ótimo? Não entendo…

MARTHA - Ótimo, porque com essa garota aqui, eu posso fazer o que planejo, me livrar dela e do Jorge de uma só vez.


ILUSÃO
CAPÍTULO 06

CENA 01 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / QUARTO DE MARTHA / NOITE.
Martha está de costas, olhando pela a janela a pensar. Mauro de aproxima e a questiona:
MAURO - Tá, mas como vai se livrar deles?
MARTHA - Se virando em direção ao mordomo - Vou precisar de sua ajuda.
MAURO - Diga-me, o que devo fazer?
MARTHA - Dizendo assim até parece complicado, mas vai ver que não é. Presta atenção - Ela diz a ele seu plano para acabar com Iza e Jorge - Entende porque você vai ter uma das funções primordiais para que esse plano dê certo?
MAURO - É claro! E quanto aos empregados.
MARTHA - Dispense só os da cozinha, o restante não vai nos atrapalhar. Acha que dá conta de cozinhar?
MAURO - Perfeitamente - ele se aproxima dela e pega em suas mãos - cozinha e teatro para a minha senhora.
MARTHA - Ela põe sua mão sobre o rosto de seu mordomo, como uma mãe que acalenta um filho - Não me decepcione.
MAURO - Sorrindo - Jamais.

CENA 02 / CASA DE AGENOR E IZADORA / INT / SALA / NOITE.
IZA - Pai, sobre o jantar…
AGENOR - Acalmando-a - Não se preocupe, nós vamos.
IZA - Eu sei que falei um pouco tarde, se o senhor não quiser ir eu entendo.
AGENOR - Imagina, nós vamos.
IZA - Sorri - Que ótimo, é importante pra mim. Sabe? Acho que ele pode pedir minha mão.
CODINA - Será minha filha? - Olha para Agenor - Não é muito cedo?
IZA - Se ele pedir a mão é porque quer algo sério, não é pai? E isso é bom, não?
AGENOR - É claro, antes casar do que ficar no rola enrola.
Amanhece.
CENA 03 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / QUARTO DE BRUNO / DIA.
Bruno chama seu pai ao seu quarto, sorridente ele lhe mostra o anel que comprou para Izadora.
BRUNO - O que acha pai?
GILBERTO - É lindo, tenho certeza de que ela vai gostar.
BRUNO - Suspira - Ah, espero.
GILBERTO - Mas não foi só pra isso que você me chamou aqui, foi?
BRUNO - É, tem razão.
GILBERTO - Fala, aconteceu alguma coisa? O que você quer me dizer?
BRUNO - Na verdade é sobre a mamãe, o senhor sabe como ela reagiu quando eu pedi a Iza em namoro lá na festa.
GILBERTO - Sim, sim… mas aquilo lá é passado meu filho, relaxa.
BRUNO -  Será? Eu não sei, pai, eu tenho medo da reação da mamãe. Aliás, eu tenho dúvidas sobre o que realmente ela pensa disso tudo, de eu e a Iza estar juntos. Ela me diz tão pouco sobre isso, e pra mim é muito importante o que ela acha, entende?
GILBERTO - Entendo, mas se acalme, sua mãe não é de demonstrar muito os sentimentos dela - Olha no olho dele - mas eu te garanto que ela não vai reprovar vocês dois. Como eu disse, é passado.
BRUNO -  Será?
GILBERTO - Colocando as mãos no ombro de seu filho - Ei, relaxa. Vai ficar tudo bem. Agora vamos lá pra baixo, tomar o café.
BRUNO -  Vai indo, eu já desço.
CENA 04 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / SALA DE JANTAR / INT / DIA.
Todos estão à mesa. Gilberto chega pelas escadas e se junta a família.
MARTHA - Cadê o Bruno? Ele não vai descer.
GILBERTO - Se servindo de café - Disse que já desce, eu estava falando com ele, sobre você.
MARTHA - Confusa - Sobre mim?
GILBERTO - Ele tá confuso, veio me perguntar sobre o que você pensa sobre o namoro dele com a garota de Angra.
MARTHA - E o que você disse?
GILBERTO - Disse que você aprova, que mudou de ideia.
MARTHA - O que é mentira.
GILBERTO - Mas que ele não precisa saber. Ele vai pedi-la em noivado e quer sua aprovação.
MARTHA - Demonstrando tranquilidade - Era só o que me faltava…
GILBERTO - Eu tô é pasmo com sua tranquilidade.
MARTHA - Isso não vai pra frente, não vale a pena nem me preocupar.
GILBERTO - Olha, eu não sei não, hein… mas vem cá, como você pode ter tanta certeza assim?
Bruno desce e eles interrompem a conversa.
MARTHA - Bom dia meu bem.
BRUNO - Bom dia.
MARTHA - Vai buscar sua namorada?
BRUNO - Vou sim, tô saindo daqui a pouco, amanhã a noite estou de volta.
MARTHA -  É claro - Olha para Estella - E você? Tá tão quieta, nem me contou como foi a consulta.
ESTELLA - Um desastre, aquela mulher é louca.
MARTHA - Não fala assim. O que ela disse?
ESTELLA - Que você é a raiz dos meus problemas.
MARTHA - Era só o que me faltava… deve ser eu que te forço a virar cada garrafa de bebida na goela - pensa bem - mas como sei que é mentira sua, vou marcar outra sessão.
ESTELLA - Vai em frente, não acredita em mim.
THIAGO - Se levantando - Eu vou indo.
ESTELLA - Espera filho.
THIAGO - Algum problema?
ESTELLA - Nada, só quero saber se tá tudo bem.
THIAGO - Tá sim.
ESTELLA - Sem graça - Tá, tá bom. Pode ir, boa aula.
MARTHA -  Martha que assistia tudo diz - Eu hein Estella, você nunca foi disso.
Estela lembra as palavras da psicóloga sobre a relação entre ela e Thiago e diz.
ESTELLA - Tá mãe, pede pra ele vir as 3.
MARTHA - Ela quem?
ESTELLA - A psicóloga.
MARTHA - Debochando - Olha, ela mudou de ideia.
CENA 05 / COLÉGIO OPÇÃO / INT / DIA.
Thiago e Manu atravessam o pátio, Jean os interrompe.
JEAN - E aí? Melhor?
THIAGO - Um pouco, foi só um arranhão.
JEAN - Se precisar de alguma coisa me avisa.
THIAGO - Tá, obrigado.
MANU - É, eu posso te perguntar uma coisa?
JEAN - Pode.
MANU - O pessoal do time sabe que você é gay?
JEAN - Ninguém nunca me perguntou nada.
THIAGO - Não enche o menino, garota.
JEAN - Ri - Não, de boa. Normalmente as pessoas estranham o fato de um atleta ser gay, o que é uma bobagem.
THIAGO - Olhando para Manu - Algumas pessoas gostam de estereotipar gays.
JEAN - Sei como é.
Eles chegam na sala.
JEAN -  Depois a gente se fala.
Ele sai.
THIAGO - Ele não é um sonho?
Manu dá um tapa em Thiago.
THIAGO - Aí, não tá vendo que eu tô quebrado?
MANU - Isso foi pela indireta - Sorri - não disse que você ia ficar caidinho por ele? Até chamou de sonho. Aceita, você tá de quatro pelo boy.
THIAGO - Eu hein, vamos entrar que a aula vai começar, e vê se para de falar nisso, vai acabar tirando o garoto do armário daqui da escola.
CENA 06 / CASA DE AGENOR E IZA / INT / DIA.
Bruno chega na casa, Izadora vai ao seu encontro.
IZA - Bruno!
Eles se beijam.
IZA -  Vem, entra.
Do lado de dentro.
AGENOR - E aí meu rapaz, como vai?
BRUNO - Eu tô ótimo e o senhor?
AGENOR - Ótimo também.
BRUNO - Eu vim pra cá pra passar um tempinho com a Iza antes de irmos de volta pro jantar.
AGENOR - Tá certo. Obrigado por vim buscar a gente, cê sabe, meu único meio de transporte é o barco - risos.
BRUNO - Imagina, que isso. Eu vou passar a noite aqui na casa da minha família e amanhã venho pegar vocês para irmos ao Rio.
IZA -  Então pai, eu posso aproveitar esse fim de dia pra dar uma volta aqui na praia com ele?
AGENOR - Pode, mas juízo, viu?
BRUNO - Pode deixar.
CENA 07 / PRAIA / EXT / DIA.
Bruno e Iza correm na areia.
Eles param.
IZA - Sorri - Te amo.
BRUNO - Também, muito, muito.
IZA - Muito é?
BRUNO - Muitíssimo!
IZA - Então prova.
Ele a agarra e beija até caírem na areia.
IZA - Risos - Agora acreditei.
Eles riem e continuam o passeio.
BRUNO - Já tá ficando tarde, vamos?
IZA - Vamos. Só uma coisa…
BRUNO - O que?
IZA - Obrigada por tudo o que você tá fazendo por mim.
BRUNO - Tudo o que?
IZA - Por me incentivar a estudar.
BRUNO - O mérito é todo seu, você não tem que me agradecer por isso.
IZA - Sorri - Mas eu agradeço, você me faz feliz.
BRUNO - Agora sim, eu aceito - sorri - se te faço feliz, esse mérito é meu.
Ela o beija.
BRUNO - Te amo.
CENA 08 / COLÉGIO OPÇÃO / INT / SALA / DIA.
PROFESSOR - Gente, atenção!
Todos o olham.
PROFESSOR - Eu vou passar um seminário sobre a democracia, quero que vocês formem trios. Podem formar e me dêem os nomes, depois eu explico melhor o trabalho.
Jean vai até Manu e Thiago.
JEAN - Posso fazer com vocês?
THIAGO - É…
MANU - Interrompe - Pode! - Olha para o professor - Vai ser nós 3 prof.
Um dia depois.
CENA 09 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / NOITE.
MARTHA - Gilberto, eu vou ver se tá tudo bem com o Mauro na cozinha.
GILBERTO - Tá, mas meu bem, eu não entendi, pra que dispensar as cozinheiras e o Mauro cozinhar? Ele nunca faz isso.
MARTHA -  É bom, assim ele aprende.
Na cozinha.
MARTHA - Pegou as luvas e o saco?
MAURO - Sim, e a faca tá limpa.
MARTHA - Só não encosta nessa faca, pelo amor de Deus. Agora deixa eu ir, o show vai começar.
Na sala.
A porta abre, Isadora, Agenor, Codina e Bruno entram.
MARTHA - Sejam bem vindos!


ILUSÃO
CAPÍTULO 07

CENA 01 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA  FERRAZ / INT / SALA / NOITE.
Martha recepciona Iza e sua família com um grande sorriso no rosto.
MARTHA - É um prazer conhecer vocês, meu filho falou tanto de como foi conhecê-los que fiquei ansiosa.
AGENOR - Obrigado, é um prazer conhecer uma dama como a senhora.
MARTHA - Gargalha - Assim fico lisonjeada. Venham! Vamos nos sentar à mesa.
Todos vão em direção ao outro cômodo, mas Martha interrompe Iza.
MARTHA - Izadora, querida. O Mauro quer lhe ver, ela tá lá na cozinha, dá um pulinho lá.
BRUNO - Mãe, o que o Mauro quer com ela?
MARTHA - E eu lá sei, bom, vocês trabalharam juntos, devem ter criado alguma intimidade, não?
IZA - Na verdade, nós nem nos falávamos direito. Mas vou lá ver.
MARTHA - Agora fiquei curiosa, vai e nos conta tudo - Ri.
Ela sai em direção a cozinha do apartamento.
BRUNO - Mãe!?
MARTHA - Vai dizer que você não quer saber? Também achei estranho isso. Mas vamos nos juntar aos demais, enquanto ela vai lá.
CENA 02 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / COZINHA / NOITE.
IZA - Oi.
MAURO - Ah, oi, como vai?
IZA - Eu vou bem, a dona Martha disse que você queria me ver.
MAURO - Ah sim, eu disse, mas não imaginava que ela daria o recado - risos - já trabalhou com ela, então sabe como ela é em relação aos empregados.
IZA - Ri - É, eu sei, mas ela é uma boa pessoa.
MAURO - Sim, sim, quanto a isso, não tenho o que reclamar.
IZA - Mas então, o que queria me dizer?
MAURO - Eu queria te pedir perdão se de alguma forma eu lhe magoei durante o tempo em que trabalhamos juntos. Sabe, eu fui grosso, estava a flor da pele durante aquele verão. Então eu peço que me perdoe, vai ver que eu sou melhor do que aquilo que você conheceu.
IZA - Não há o que perdoar, você era o mordomo, estava sobre pressão para manter a casa arrumada, organizar a festa. Enfim, o que passou, passou.
MAURO - Colocando a mão no tempero - Obrigado.
Ele pega em uma copo sobre o balcão e com o copo empurra a faca que vai ao chão.
MAURO - Nossa, que desastrado. Se importa de pegar a faca? Eu to com a mão toda suja - mostra.
IZA - Imagina.
Ela pega a faca do chão.
MAURO - Coloca ali naquele outro balcão - aponta.
Ela põe.
MAURO - Desculpa te incomodar.
IZA - Que isso.
MAURO - Pode ir, já te incomodei demais. O jantar logo será servido.

CENA 03 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / SALA DE JANTAR / NOITE.
Izadora se junta a todos, o jantar é servido.
CODINA - O jantar estava delicioso.
MARTHA - Então, parabéns ao Mauro.
MAURO - Obrigado, fico feliz que gostaram.
Bruno se levanta.
BRUNO - Agora se me permitem eu gostaria de dizer algumas palavras.
Todos olham.
BRUNO - Se ajoelha diante de Iza - Durante esse tempo que estive namorando com essa bela dama, pude saber o que é o amor. Com ela tive as melhores emoções de minha vida, além de companheirismo e compreensão - olha nos olhos dela e sorri - Por isso, eu te pergunto agora. Izadora, aceita se casar comigo?
IZA - Sorri - Fiquei sem graça. Seu bobo, é claro que sim.
Eles se abraçam e se beijam.
BRUNO - O senhor está de acordo, né seu Agenor?
AGENOR - Se minha filha está feliz, eu também estou.
Ele põe o anel no dedo de Iza, ela o olha.
IZA - É lindo.
MARTHA - Isso merece um brinde - ela levanta sua taça, todos a seguem - ao amor desse jovem casal.
Todos bebem.
CENA 04 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / QUARTO DE MARTHA / NOITE.
MAURO - Aproveitei que estão lá em baixo bebendo e vim lhe entregar isso - Ele dá a ela a faca em um saco plástico.
MARTHA - Perfeito.
MAURO - Qual é o próximo passo?
MARTHA - Daqui alguns dias ela irá ao encontro de Bruno na mansão de Agra, e Jorge fará o mesmo.
MAURO - Você não presta!
MARTHA - Ri - Eu sei… Ainda tem o contato daquele miliciano?
MAURO - Sim.
MARTHA - Pretendo almoçar com ele na segunda, no leblon.
MAURO - Providenciarei.
MARTHA - Ah, como gratidão, deixei uma surpresinha na sua conta bancária.
Amanhece.
CENA 05 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / SALA / DIA.
MARTHA - Esse fim de semana passou tão rápido, espero que tenhamos mais momentos como esse.
IZA - Eu queria agradecer o convite e a companhia, dona Martha.
MARTHA - Não tem de quê, ah, me chame apenas de Martha, ou sogrinha - risos.
Eles partem.
CENA 06 / CASA DE JEAN / INT / SALA / DIA.
Thiago e Jean se reúnem após a escola para fazer o trabalho.
JEAN - E aí, beleza?
THIAGO - Sim.
JEAN - Cadê a Manu?
THIAGO - Eu não sei, ela disse que viria sozinha.
Eles recebem uma mensagem dela o grupo do trabalho.
MANU - Pessoal, foi mal. Tô morrendo de cólica, não vou poder ir. Mas juro que vou fazer minha parte a tempo.
Thiago logo percebe que Manu fez aquilo de propósito.
JEAN - Bom, então vamos fazer a nossa parte.
Eles vão ao quarto.
THIAGO - Olhando a decoração - Você gosta mesmo de futebol, heim…
JEAN - Sorri - É, como eu te disse, sou um gay fora do convencional.
THIAGO - Imagina, você é você, só isso.
JEAN - Mas e você?
THIAGO - O que tem eu?
JEAN - O que você curte?
THIAGO - Além de meninos - risos - música, filmes.
JEAN - Olha… Quer assistir um filme comigo depois de terminarmos o trabalho?
THIAGO - Tá, pode ser.
Eles terminam o trabalho e descem para a sala.
JEAN - Que tal vermos Chicago?
THIAGO - Como adivinhou? Eu amo esse filme.
Eles assistem no sofá, a mãe de Thiago chega.

MARISA - Namorado novo, filho?


ILUSÃO
CAPÍTULO 08:

CENA 01 / CASA DE JEAN / INT / SALA / DIA.
O rosto de Thiago cora, todos na sala percebem.
JEAN - Não mãe - risos - assim você vai deixar ele sem jeito - risos - somos apenas amigos.
MARISA (Mãe de Jean) - Me desculpa, querido, não fiz por mal. É que vocês são lindos juntos. Bom, já falei demais, vou subir e tomar uma ducha, tô morta. Se precisarem de alguma coisa é só pedir.
Ela sai e os deixam a sós. Jean chega mais perto de Thiago e dá um empurrão de leve.
JEAN - Você ficou vermelhinho, precisava de ver. Parecia um pimentão.
Thiago se sente constrangido com a situação, mas resolve levar na esportiva, pois é a única maneira de se sair bem.
THIAGO - Ah, sou muito trouxa, eu te disse.
Jean coloca às mãos no ombro de Thiago, a distância entre eles é nula. Essa proximidade deixa Thiago nervoso e ofegante, o tempo passa devagar e a tensão só aumenta. Até que Jean diz:
JEAN - Eu acho fofo?
THIAGO - Meio desnorteado - Hã? O... o que?
JEAN - Você ficar vermelhinho, igual tá agora.
THIAGO - Se levantando - É, obrigado por tudo, mas já deu minha hora.
Ele abre a porta e sai.
Jean fica sem entender.
JEAN (Pensamento) - Parecia que ele também queria, mas devo estar errado.
CENA 02 / RESTAURANTE / LEBON / INT / DIA.
Martha chega ao luxuosíssimo restaurante.
MARTHA - Eu fiz uma reserva.
RECEPCIONISTA - Ah sim, é claro. O seu convidado já está lhe esperando. Vou lhe acompanhar até a mesa.
A recepcionista leva Martha até uma mesa com vista para o mar.
COMANDANTE - Se levantando para cumprimentar - Dona Marta Ferraz.
MARTHA -  Um ponto pela pontualidade - risos - Como se chama, comandante?
COMANDANTE - O meu nome eu prefiro deixar no sigilo, me chame apenas de comandante, eu prefiro.
MARTHA - É claro. Mas me diga uma coisa, você costuma fazer esses servicinhos, assim, por fora?
COMANDANTE - A vida toda, alguns colegas de corporação e eu prestamos serviços até mesmo para os figurões de Brasília.
MARTHA - Conclui - Então o que dizem é mesmo verdade... - risos.
COMANDANTE - É, esses pais é como uma selva, sobrevive quem for mais forte.
MARTHA - Vejo que fala a minha língua, capitão. Mas enfim, não viemos aqui para discutir a corrupção no Brasil, afinal, se não fosse por ela minha família não teria tudo o que tem... - mudando de assunto - O meu mordomo já lhe adiantou o serviço?
COMANDANTE - Já sim.
MARTHA - Qual o valor?
COMANDANTE - Cem mil, em dólares.
MARTHA - Feito. Receberá assim que o serviço for feito.
COMANDANTE - É claro, seu mordomo já deu todas as informações de que preciso, o plano e a arma do crime. Então não há de que se procurar, o serviço é de qualidade garantida.
MARTHA - Certo - se levanta - já que está tudo encaminhado, não tenho mas nada a fazer aqui. Boa tarde.

CENA 03 / APARTAMENTO DE MAURO / INT / DIA.
MAURO (Pensamento) - Logo hoje ela me dá folga, eu poderia tá lá, coletando informações...
Ele entra.
GUTO (Namorado de Mauro)-Em casa a essa hora? Que milagre é esse?
MAURO - É, ela me dispensou por hoje.
GUTO - Finalmente, cê sabe que eu não gosto quando fico muito tempo sem te ver.
MAURO - Eu também não, mas é o meu trabalho.
GUTO - Você se dedica demais àquela família, tem que tirar um tempinho pra nós. Poxa, eu tô na seca.
MAURO - Não seja por isso, vamos resolver - sobe no colo dele.
GUTO - Mais tarde, não tô no clima.
MAURO - Ta... Mas depois não reclama. Posso usar o laptop?
GUTO - Tá, usa. Aliás, pra que usar essa conta separada da minha?
MAURO - Eu tenho meus segredos - risos.
GUTO - Somos um casal, você sabe o que dizem... Um casal não deve ter segredo.
MAURO - Bobagem, eu hein... Cada um tem suas coisas - coloca a mão na perna dele - eu não te traio, não se preocupe.
CENA 04 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / QUARTO DE ESTELLA / DIA.
Estella e Margot finalizam a sessão.
MARGOT - Por hoje é só.
ESTELLA - Sabe, eu estive pensando...
MARGOT - Sobre?
ESTELLA - Sobre tudo. As coisas que você me diz, realmente fazem algum sentido.
MARGOT - É, eu sei.
ESTELLA - Tá, não se acha - risos - mas é reconfortante ver que a culpa não é minha, e sim da minha mãe.
MARGOT - Olha, primeiro que eu nunca disse que a culpa era de sua mãe. O que eu disse é que a relação ruim entre vocês é que fez com que tudo isso acontecesse.
ESTELLA - Ah, cortou o meu barato.
MARGOT - Sobre a bebida.
ESTELLA - O que tem? Eu tô tentando evitar, mas é difícil.
MARGOT - Você deveria ir em uma reunião dos alcoólicos anônimos.
ESTELLA - Ah, para. O que eu vou fazer lá?
MARGOT - Ouvir, trocar experiências. Enfim, há muito o que aprender.
ESTELLA - É que eu não sei se tenho coragem.
MARGOT - Eu vou com você.
ESTELLA - Jura?
Ela confirma.
ESTELLA - Então já é.
Anoitece.
CENA 05 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / QUARTO DE MARTHA / NOITE.
Martha liga para Jorge.
JORGE - Apareceu.
MARTHA - Calma, não vem na defensiva. Eu tenho um convite.
JORGE - Do que?
MARTHA - De um fim de semana, comigo, em Angra. Sabe? Pensei em nos divertimos, longe de tudo, só eu e você. O que acha?
JORGE - Já tava mesmo com saudades, safada.
MARTHA - Então, sábado?
JORGE - Tá, vou tá te esperando - risos.
Desliga.
MARTHA - Idiota!
CENA 06 / APARTAMENTO DA FAMÍLIA FERRAZ / INT / QUARTO DE THIAGO / NOITE.
Thiago manda mensagem de áudio para Manu.
MANU - Eu não acredito, ela pensou que vocês tava, tipo, ficando.
THIAGO - Calma garota, sem escândalo.
MANU - Migo, cê tem noção? Tipo, até sua futura sogra shippa muito vocês dois.
THIAGO - Não exagera também, né, Manuela.
MANU - Exagero nada.
THIAGO - O pior é que rolou um clima, ele ia me beijar.
MANU - Ia? Ia porque?
THIAGO - Porque sai rápido, na hora, dei o fora de lá.
MANU - Você é burro?
THIAGO - Eu fiquei com vergonha, né. Eu queria ver se fosse você no meu lugar.
MANU - Ah meu filho, se fosse eu eu já teria feito o serviço completo.
THIAGO - Credo, que horror.
MANU - Credo nada, pelo menos eu não sou uma mosca morta como você. Eu hein…
CENA 07 / CASA DE IZA E AGENOR / INT / NOITE.
Iza e sua família chegam em Angra.
BRUNO - Meu amor, vou ter que deixar vocês aqui e voltar pro Rio.
IZA - Que pena, eu pensei em pegarmos uma praia juntos, pena que não vai rolar.
BRUNO -  Eu vou mas logo volto, prometo.
IZA - Tá, fica com Deus, tá?
Eles se beijam e se despede.
Do lado de dentro.
AGENOR - Filha, agora que a gente voltou eu já posso te dizer… Tem algum tempo que venho tentando te contar isso.
IZA - Aconteceu alguma coisa?
AGENOR - É sobre sua mãe.

CONTINUA...


Segunda-feira: Iza e Larissa se reencontram;
Jorge é morto e Iza é acusada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

close

menu cel