7. Lágrimas de Sangue | Anjo Noturno



NO EPISÓDIO ANTERIOR

 

Felipe assusta a todos na igreja ao aparecer em sua missa de dois anos. Uma montagem de foto e fake news tomam conta da escola que afirma que Gael e Martínez têm uma caso e por isso suas notas são bem superior que as dos demais alunos. Gael é perseguido e tem a moto vandalizada, León lhe salva e o tira dali. León confessa a sua irmã Petra sobre o beijo em Gael e ela o questiona sobre o que ele sente e diz que o apoia independente de sua decisão. Martínez percebe o problema de Gael e lhe aconselha a procurar um tratamento psicológico.

 

 

EPISÓDIO 7 – LÁGRIMAS DE SANGUE

 

 

Gael continua sem entender como veio parar no motel que fica na cidade de Virgínia, um pouco longe da sua cidade. E também não compreende o que faz num motel com Martínez.

 

—Onde estamos, Martínez? Que roupa é essa que eu estou usando? -Se vê no espelho.

 

—Estamos num motel na cidade de Virgínia.

 

—Como eu vim parar aqui? Por que você disse que eu preciso de ajuda psicológica?

 

—É uma longa história. Você passou por muito estresse hoje, é normal que esteja atordoado e confuso. Vamos, preciso te levar pra casa!

 

—Não, eu quero que você me explique.

 

—Vai ficar aí? -Questiona saindo e deixando claro que não falará sobre.

 

Gael desnorteado e sem entender nada o acompanha até o carro para ir embora.

 

Martínez dirige até a cidade de Gael, que tem mais ou menos seis quilômetros e meio de distância.

 

—Você não vai me contar o que está acontecendo? -Insiste Gael.

 

—Gael, tudo tem sua hora e em breve talvez você lembre de muita coisa. Apenas tenha paciência e descanse, é disso que você precisa nesse momento.

 

—Está bem. Martínez…

 

—Sim, Gael. Pode falar.

 

—O que você vai fazer agora que não pode mais trabalhar em BellaLuna?

 

—Procurar outras opções, tudo vai dar certo. Mas e você? Como fará agora que essa maldita fake news pôs em cheque seu desempenho? E se a universidade decidir que você repetirá nesta matéria?

 

—Será uma grande injustiça e sem dúvidas eu a processaria. Tenho direito!

 

—Assim que se fala garoto!

 

Eles riem.

 

—Bom, vou indo. Tenha uma boa noite e descanso.

 

—Você também professor. Abraço!

 

Martinez dá partida.

 

Gael entra em casa e em poucos minutos capota no sofá mesmo.

 

Uma nova manhã nublada trazia o início do inverno que deixava a cidade muito fria, e com sua chegada também se aproximava o dia da formatura.

 

Gael chega na mansão da Família Len (a do novo paciente).

 

Ele cumprimenta os patrões e vai cuidar do senhor.

 

—Olá, bom dia. Eu sou seu novo cuidador. Que bom que já está arrumado, vou lhe levar para o jardim. Vamos? -Já o guiando.

 

Gael leva-o para o jardim.

 

—Está bom aqui? -Indaga.

 

O homem não responde visto que depois do AVC parte do seu corpo havia ficado paralisado e a fala ainda não havia sido recuperada.

 

—Aqui está seu suco! -Coloca sobre a mesa.

 

O homem com a mão que está funcionando vira a bandeja pra cima de Gael.

 

—Por que o senhor fez isso? -Se enxuga bravo. —Escuta aqui, sua filha já disse que o senhor é difícil e quando eu aceitei esse emprego eu aceitei sabendo o que iria enfrentar. E mais uma coisa, eu não sou tão fácil de se deixar ser vencido. Então, ou você aceita os meus cuidados ou você aceita meus cuidados. Escolha! -Chateado.

 

O homem fica pianinho.

 

—Sabe, eu vivi muito pouco tempo com meu avô, ele morreu quando eu tinha só 12 anos. Mas eu lembro que ele me colocava numa perna sua e meu irmão na outra e passava horas contando histórias para a gente. Eu sinto tanta falta disso… -Se emociona.

 

Gael percebe que o senhor também parece ter ficado mexido.

 

—Muita gente te ama. Se não pelo senhor, faça por eles!

 

O senhor parece pensar em suas palavras.

 

—Eu vou lhe dar essa bolinha e o senhor vai tentar apertar, ok? -Entrega.

 

O dia passa, e durante todo o período Gael faz exercícios com o senhor. A aceitação parece ter acontecido e finalmente uma etapa vencida.

 

Mas se o dia havia marcado Gael pela intensidade, e cansaço físico, a noite chegava para Felipe que 22:30 se arrumava para sair.

 

Ele mexe em seu lado do guarda-roupas e tira uma jaqueta de couro para o clima.

 

—Hora de começar os trabalhos! -Trancando a porta e saindo.

 

Ele pega um táxi e se manda para a cidade vizinha onde faz os programas.

 

Ao chegar, imediatamente, Felipe vai para a avenida da ponte (ponte principal).

 

—Olá! -Acena para um carro, sem retorno.

 

Meia hora se passa, nenhum carro se aproxima e cliente nenhum liga. Para os padrões de Felipe aquilo parecia um desastre, isso nunca lhe acontecia. O clima do tempo também não colaborava.

 

Um homem se aproxima.

 

—E aí cuzão? Tu pensou no trampo que eu te ofereci? Qual vai ser? -Pergunta sem dar espaço.

 

Felipe analisa que ultimamente os números de cliente caíram e que sem dinheiro a situação só piora.

 

—É, pensei… Vamo tentar né? Tenho nada a perder mesmo.

 

—Bele, vamo ali que eu te passo as “mercadorias”.

 

O homem entrega os sacos a Felipe, que decide encerrar seus trabalhos por ali aquele dia.

 

A chuva forte invade a cidade e limpa as ruas, literalmente. As pessoas entram em casa, os estabelecimentos já haviam fechado e agora tudo se pusera deserto. O fim de noite era marcado pelo frio.

 

O despertador toca.

 

Dessa vez não estamos na casa de Gael (rs). Surpresos? Eu não, fui eu que escrevi 😂

 

León bate nele o desativando.

 

Alguém bate na porta de seu quarto.

 

—Quem é? -Grita da cama.

 

—Menino León, você ainda está na cama? Tem amigos seu esperando lá embaixo. -Responde do outro lado.

 

—Amigos meus? Em plena 08 da manhã num dia sem aula? Ah não, manda embora. -Permanece na cama.

 

—Eu falei que você estava dormindo, mas eles insistiram que era algo sério.

 

—Está bem. Eu já vou, mande eles esperarem um pouco.

 

—Tá bom.

 

 

León demora um pouco.

20 minutos depois ele desce.

 

—Finalmente né meu filho? Oito da manhã e você ainda na cama? Sinceramente… -Implica Roberta.

 

—Roberta? Cláudio? O que vocês… Por que estão aqui? O Gael está bem? -Preocupa-se.

 

—Precisamente dele viemos falar. Tudo aquilo foi uma fake news, você sabe não é? -Cláudio é direto.

 

—Sim, eu acredito nele. Tanto que fui eu que ajudei ele a fugir ontem.

 

—Sério? E para onde levou ele? -Faz uma "cara de sem vergonha".

 

—Eu não entendi… Enfim, tem alguma forma de provar para todos naquela escola que estão errados em relação a isso e expor quem criou e espalhou a fake news?

 

—Tem sim, mas vamos precisar do seu amigo nerd da informática. Quanto a foto, o primo do Cláudio é fotógrafo e manja de photoshop, então, estamos com tudo.

 

—Ótima Roberta. Então hoje, na festa de formatura todos vão conhecer o autor da fake news.

 

Eles sorriem juntos.

 

Enquanto isso, na casa de Gael, o clima era de tensão. Seu psicológico estava bastante afetado por causa da fake news, por seus amigos duvidarem dele e por não ter mais ninguém no mundo.

 

—Tá tudo tão difícil! -Aperta a mão sobre o peito.

 

Bip de notificação:

 

 

"Gael, tenho uma coisa muito importante pra te contar. Uma é sobre mim e a outra é sobre nós. Me encontre 18h no meu apartamento. Vou te mandar o endereço!"

 

 

E lá estava Gael a sorrir novamente.

 

—Mas por que ele incluiu "nós" na frase? Será que… -Sorri que nem bobo para a parede.

 

A ansiedade ataca e ele anda de um lado para o outro pela casa.

 

—Será que eu devo ir? -Nervoso.

 

Gael passa o dia inteiro se perguntando isso.

 

A escola se preparava para a festa.

O cenário era montado.

Os familiares dos formandos começavam a chegar e consequentemente os próprios.

 

A festa estava linda, a iluminação perfeita digna que de uma produção de TV. Os tons vermelho, amarelo e azul utilizados nas cores dos tecidos das mesas e do cenário ampliavam a bela luminosidade posta.

Todos estavam maravilhados com a produção.

 

Do outro lado, Roberta e Cláudio preparavam o triunfo principal.

 

—Tudo em ordem? -Pergunta Rob em relação ao material do momento principal da festa.

 

—Perfeitamente! -Rapidamente Cláudio mostrando seu primo destacando a parte da montagem.

 

Eram 18 horas, o horário que León marcou em sua casa com Gael.

 

O apartamento parecia tranquilo, sem barulho.

 

León abre a porta e se depara com Gael que já ia começar a tocar.

 

—Gael! -Fica sem reação.

 

Não era a reação que Gael esperava, algo estava estranho.

 

—Você pediu para eu vir. Estou aqui. O que quer falar sobre você para mim? E ao que se referia quando disse "nós" naquela mensagem? -Nervoso.

 

Aline que está dentro do apartamento atrás da porta, aparece.

 

—Gael, eu estou grávida! -Aparenta estar extremamente feliz.

 

Gael não consegue nem assimilar bem a informação que lhe acerta como um tiro.

 

—Parabéns? -Fala sem graça e sem saber o que dizer.

 

—Vamos esquecer todas e qualquer diferença entre nós. Quero muito que você seja o padrinho do nosso filho,o que me diz?

 

O choque que a notícia havia causado em Gael, começa a passar de forma mínima, porém, o suficiente para se transformar em uma dor na alma tão agoniante quanto uma punhalada.

 

—Desejo toda felicidade do mundo, essa criança não tem culpa de nada. Espero que vocês sejam muito felizes. Mas a minha resposta, é não! -Dispara.

 

Ele sai dali e desce apressadamente.

 

—Que história é essa Aline? -Sem acreditar.

 

—A realidade, você será papai.

 

Nem León consegue digerir imediatamente.

 

Gael sai dali desolado. Ele pega a bicicleta em que veio e vai embora.

 

León desce logo em seguida para alcançá-lo. Porém, é tarde. Ele já havia partido.

 

Gael chora por todo o caminho lembrando do beijo, as coisas que León lhe houvera despertado, sua volta com Aline após o beijo e agora o bebê a caminho.

 

Ele chega em casa, desce da bicicleta, coloca para dentro e vai para o chuveiro.

 

—Por que eu sou tão infeliz? -Chora desgraçadamente na frente do espelho batendo na própria. —Sem família, sem amigos, sem ninguém! Todo mundo apontando o dedo para mim por algo que eu não fiz… -Murmura em modo destrutivo. Seu psicológico estava destruído.

 

Gael lembra da caixa de comprimidos que tem em sua casa, vai até ela e enche a mão de pílulas de um dos potinhos. Imediatamente ele vira sobre a boca e engole.

 

Em poucos minutos seu corpo perde todos os sentidos.

 

O clima que já era frio, agora, na cidade se tornava também sombrio e perdia toda a sua cor. Parece que a cidade perdia a vida.

 

A cada segundo que passa sua alma desprende mais do seu corpo.


 


Anjo Noturno
Temporada 1 | Episódio 7

Criado e Escrito por:
Thiago Santos

Elenco:
Gael/Felipe - Gabriel Leone
León - Sergio Malheiros
Martínez - Rodrigo Massa
Petra - Bruna Marquezine
Aline - Agatha Moreira
Patrícia - Cris Viana
Lucían - Guy Ecker
Alfonso - Murilo Rosa
Alberto - Tarcísio Meira
Roberta - Jeniffer Nascimento
Cláudio - Bruno Gadiol
Fernanda - Vanessa Gerbeli
Genaro - Marcos Palmeira

Rajax © 2021


Nenhum comentário:

Postar um comentário

close

menu cel